Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Sérgio Conceição ligou a Otávio às duas da manhã: "Senti-me na obrigação de lhe telefonar. Não precisa de dizer que cometeu um erro"

Na antevisão do FC Porto-Santa Clara (sábado, 20h30, SportTV), Sérgio Conceição falou sobre a eliminação da Liga dos Campeões e voltou a criticar o calendário da Liga portuguesa

tribuna expresso

MIGUEL RIOPA/Getty

Partilhar

O erro de Otávio no primeiro golo do Liverpool

"Falei com ele quase às duas da manhã. Senti-me na obrigação de lhe telefonar. Não faz sentido, não precisa de dizer em público que cometeu um erro, porque também cometo erros e não venho dizer isso. O balneário é forte, foi um desabafo, teve necessidade de extravasar o que sentia. Falei com ele no dia seguinte. Quando há um erro é assumido pela equipa. Os momentos de sucesso também são divididos pela equipa. É importante que toda a gente tenha consciência disso. Somos um grupo unido e forte, e acho que isso é uma mais-valia. Não é questão de concordar ou não... Ontem também me manifestei sobre o tempo de recuperação das equipas que jogam na Europa. As redes sociais são uma modernice, eu também utilizo, não vejo nada de mal".

A derrota frente ao Liverpool e o calendário português

"O futebol é um recomeçar constante. Começamos a ver as dificuldades que teremos no jogo seguinte. Apesar de termos pouco mais do que as horas legais para jogar a seguinte partida, as preocupações para a preparação são as mesmas. Estamos perto do fim. Tal como já disse, é muito positivo que a Federação holandesa tenha adiado a jornada do campeonato devido à participação do Ajax. Não é puxar pelo meu jardim, não é olhar ao meu quintal, mas acho que seria o melhor para o futebol português. Não sou profeta, mas sinto na pele aquilo que podem ser as melhores condições para representarmos o nosso país".

Final de época a pensar no campeonato e na Taça de Portugal

"Falei de um equilíbrio que tínhamos de ter frente ao Liverpool e acho que é esse equilíbrio anímico que temos que ter agora a caminhar para o fim do campeonato. Temos de perceber o percurso fantástico que fizemos na Liga dos Campeões e tudo o que fizemos de bom, e o que foi o desfecho cruel destes dois jogos. Sofremos demasiado para aquilo que fizemos em termos defensivos e fizemos poucos golos para o potencial ofensivo. Daí o amargo de boca. Não apaga o percurso interessante e fico feliz porque isso deu esperança a todos e o pensamento de que poderíamos chegar a uma fase muito adiantada da prova. Acreditámos que era possível estar nas meias-finais. Infelizmente esse sonho acabou, mas, como já tinha dito antes do jogo com o Portimonense, a nossa Champions é o campeonato. Agora temos essa oportunidade, temos consciência de que não dependemos de nós, mas depende de nós darmos o nosso melhor."