Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Sérgio Conceição: "É demonstrativo da grande alma dos jogadores do FC Porto fazer o golo no último segundo"

A análise de Sérgio Conceição ao Portimonense-FC Porto (2-3), da 5ª jornada da Liga, em declarações à SportTV

Tribuna Expresso

JOSE COELHO/LUSA

Partilhar

O jogo

"Ao contrário do que algumas pessoas disseram, que tentaram fazer passar a mensagem de que o FC Porto passeia aqui no Algarve, não é assim. A verdade é que vimos um Portimonense agressivo, com muita alma e muita vontade de ganhar o jogo. Encontraram pela frente uma equipa forte, muito forte até aos 75 minutos, mais ou menos, com o jogo completamente controlado.

Na primeira parte, fizemos dois golos e podíamos ter feito mais um outro. Na segunda parte, não entrámos bem, mas depois pegámos no jogo e criámos situações para acabar com o jogo com mais um golo.

Culpa própria, admite o treinador

"Aquilo que acontece é que, por vezes, o treinador facilita o jogo, com as mudanças e correções que faz, e por vezes complica. E eu hoje compliquei. Mas a vitória é justíssima. Uma palavra para o Portimonense, que fez um jogo dentro daquilo que são as suas caraterísticas, acima da média, valorizando ainda mais a nossa prestação.

Já ando há algum tempo no futebol. Aquilo que fiz foi tirar um ala e meter outro, com mais frescura física, porque o Luis Diaz tinha trabalhado muito, e tirei um avançado e meti outro mais fresco - o Zé [Luís] estava com um problema num pé – e depois meti o Fábio [Silva].

A resposta dos jogadores ao jogo foi muito positiva. Estou contente com o que fizemos. Sabia que, dentro daquilo que era a nossa dinâmica de jogo, era preciso estarmos bem, no máximo, porque sei da dificuldade que é jogar contra estas equipas, que têm qualidade individual e que, de um momento para o outro, podem complicar o jogo. Foi o que se passou a partir dos 75 minutos."

O aperto final

"Houve mérito do adversário e uma ou outra situação, dentro desse mérito, de algum demérito nosso também. Foi um grandíssimo golo do lateral direito e um cruzamento com golo de cabeça. Podíamos, para nos precavermos da chegada ao último terço da equipa adversário, ter tido outro tipo de atitude, que não tivemos. Quando se tem pela frente uma equipa que não baixa os braços e acredita que pode fazer um golo para reabrir o jogo, foi isso que aconteceu. Também é demonstrativo da grande alma dos jogadores do FC Porto fazer o golo no último segundo. Bem demonstrativo daquilo que é a mentalidade deste balneário. Tenho um balneário fantástico nesse sentido."