Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Sérgio Conceição: "Tínhamos que anular a 1.ª fase de construção do Benfica, obrigando-os ao jogo longo para sermos superiores nos duelos"

O treinador do FC Porto resumiu, após a vitória (3-2) no clássico, a estratégia adotada no jogo, sublinhando que teve "todos os ingredientes para um grande espetáculo de futebol"

Tribuna Expresso

ESTELA SILVA/Lusa

Partilhar

A análise ao clássico

"Um grandíssimo jogo de futebol, com intensidade, grandes jogadores em campo. Em termos de estratégia, cada um dos treinadores a tentar fazer o melhor para trazer algo à equipa que fosse positivo. Teve todos os ingredientes de um grande espetáculo e de um grande jogo de futebol."

A segunda parte

"Preparei o jogo no sentido de sermos uma equipa pressionante, de forma organizada, não de forma individual. Tínhamos que anular a primeira fase de construção do Benfica, obrigando-os a recorrerem ao jogo longo para sermos superiores pelos duelos ganhos. A partir desses momentos defensivos, fomos uma equipa que, com bola, explorámos as debilidades do Benfica.

Tivemos inúmeras oportunidades e tivemos a infelicidade de sofrer um golo na primeira vez que o Benfica, com mérito, vai à nossa baliza. Na segunda parte foi exatamente igual. Isso não fez com que a equipa baixasse o ritmo de jogo. Parabéns aos meus jogadores pelo caráter."

As alterações posicionais após o intervalo

Penso que estávamos a sofrer um bocadinho no corredor central, meti o Marega pela direita e o Otávio como terceiro homem do meio campo, para equilibrar esse espaço. Depois, troquei o triângulo, o Matheus ficou mais posicional, o Sérgio e o Otávio passaram a ser os médios interiores para controlarem mais o jogo. Nesse sentido foi bom.

Continuámos a acreditar que era possível aumentar a vantagem, tivemos oportunidades para isso, mas não fomos eficazes. No geral, foi um jogo de futebol muito interessante também pela estratégia e as mudanças no decorrer do jogo."

Quatro pontos de desvantagem

"Acreditamos sempre. Este foi mais um jogo e foram apenas três pontos. Não interessa ganhar este jogo se não conseguirmos os três pontos também no próximo. Acreditamos no que fazemos diariamente. Queria dedicar esta vitória a uma menina que sofre de doença oncológica, filha do nosso Alberto Índio, que faz a música do estádio antes de começarmos o jogo, e a todas as crianças que se encontram na situação dela.

Sei que os meus jogadores deram um momento de grande felicidade a pessoas que sofrem e acho que é preciso frisar isso."