Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Hulk, o FC Porto e o túnel da Luz: "Só fui separar o Bruno e o Sapunaru e sobrou para mim. Ainda hoje não consigo entender o que fizeram"

O avançado brasileiro, que agora joga na China, admite que gostaria de voltar para Portugal: "O FC Porto mora no meu coração. Voltar era a realização de um sonho e uma grande felicidade"

Lusa

Paulo Duarte

Partilhar

O internacional brasileiro Hulk, ex-futebolista do FC Porto e que atualmente representa o Shanghai SIPG, da China, admitiu hoje a vontade de regressar ao Dragão, afirmando que se isso acontecesse seria um "sonho".

O avançado, de 33 anos, chegou ao clube azul e branco em 2008 e esteve no Porto durante quatro anos, sempre com um papel decisivo nas várias provas em que esteve envolvido e, agora, tem o desejo de voltar.

"Fiz grandes amizades, fui acarinhado e o desejo passa sempre por voltar, de matar saudades e reviver momentos que ficam marcados. Como já disse várias vezes, o FC Porto mora no meu coração. Voltar era a realização de um sonho e uma grande felicidade", afirmou o jogador, em declarações transmitidas nas plataformas digitais do FC Porto.

A idade, segundo Hulk, que tem contrato até ao final de 2020 com o Shanghai SIPG, não é impedimento para sonhar com outros voos, lembrando a carreira que tem vindo a construir ao longo dos anos.

"Tenho cuidados com a alimentação que não tinha há oito anos. Procuro ser profissional. Entrei e saí do FC Porto pela porta da frente, depois fui para o Zenit. Bati o recorde de transferências [60 milhões de euros] do clube e todos perguntavam o porquê. Depois, venderam-me para a China quase pelo mesmo valor. Dei continuidade ao meu trabalho, mantive sempre o nível. Enquanto estiver bem fisicamente, vou continuar a jogar", referiu.

"Só fui separar o Bruno e o Sapunaru"

Hulk recordou ainda um dos momentos mais 'negros' da sua carreira, a suspensão que o deixou vários meses fora dos relvados depois dos incidentes no túnel do Estádio da Luz, após um desaire face ao Benfica (1-0), em 20 de dezembro de 2009.

"Só fui separar o Bruno e o Sapunaru e sobrou para mim. Ainda hoje não consigo entender o que fizeram comigo e com o Sapunaru. Foi duro ficar 18 jogos de fora. Voltei bem, voltei por cima. Isso fortaleceu-me", admitiu Hulk.

O jogador lembrou ainda que a situação acabou por ter um final feliz, com a vitória no mesmo local por 2-1, à 25.ª jornada da I Liga 2010/11, que valeu a conquista do título, com cinco rondas por disputar.

"É uma situação que não desejo a nenhum jogador, sendo prejudicados da forma como fomos. Um ano depois, voltámos à Luz, onde tudo aconteceu, e conquistámos um título inédito. Fiz o golo do título. Nada acontece por acaso", recordou.

Hulk regressou à China há um mês, e viveu de perto a situação de recuperação da covid-19. "A situação já está mais tranquila. Quando cheguei, há cerca de um mês, tive de estar de quarentena durante duas semanas. Depois disso, recebi um certificado que comprova que estou bem e que estou cá há mais de duas semanas. A situação está bem mais tranquila do que quando tudo começou", referiu.