Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Não, eles não estão distraídos. Estão a olhar para o título

O FC Porto voltou a aumentar a vantagem em relação ao Benfica - para seis pontos -, ao golear confortavelmente o Belenenses SAD no Dragão, por 5-0

tribuna expresso

MIGUEL RIOPA

Partilhar

Antes da estreia de Nélson Veríssimo ter corrido às mil maravilhas, com o regresso do Benfica às vitórias, o FC Porto ia na frente do campeonato com seis pontos de avanço. Ou seja, os portistas eram - e são - atualmente os principais favoritos à conquista do título de 2019/20, à 30ª jornada da Liga.

Mas, na conferência de imprensa de antevisão do FC Porto-Belenenses SAD, Sérgio Conceição desconfiava de quem já entregava as faixas aos portistas. “Se calhar, o objetivo de quem diz isso é distrair. Nós temos de nos focar no trabalho e nas tarefas, para que o coletivo seja forte", atirou então, com a convicção que lhe é característica.

Certo é que, esta noite, no Dragão, não houve quem estivesse distraído: o FC Porto entrou em campo, de facto, focado no ataque, no golo, na vitória - e foi assim que conseguiu derrotar confortavelmente um Belenenses SAD que nem parecia assim tão interessado em disputar os pontos, já que Petit operou sete mudanças nos titulares. O avançado Licá, o melhor marcador da equipa, nem sequer figurou nos convocados; Ricardo Ferreira e Edi Semedo estrearam-se a titulares, Diogo Calila voltou à titularidade oito meses depois e Nuno Pina e Danny Henriques também foram novidades.

Na equipa de Sérgio Conceição, já se esperava o regresso de Sérgio Oliveira, que tinha estado castigado, com a opção para voltar ao banco a recair em Danilo. Foi precisamente Sérgio Oliveira a dar o primeiro sinal de alerta, com um remate de longe que Koffi defendeu, e foi sempre pelo médio portista que o jogo foi passando, com o objetivo de chegar lá à frente.

Já o Belenenses SAD, fechado num 5-4-1, parecia pouco interessado em chegar-se à frente: a única exceção da primeira metade foi um cabeceamento de Edi Semedo, após cruzamento de Rúben Lima, que saiu ao lado.

De resto, houve sempre muito mais FC Porto, com os portistas a chegarem-se cada vez mais à área contrária. Aos 31', Otávio apareceu no corredor direito sozinho, sem pressão, e teve tempo para receber, olhar para a área e cruzar impecavelmente para a cabeça de Soares, também ele sozinho e pronto para cabecear para o 1-0.

Do mesmo modo que o Belenenses SAD se mostrava inofensivo a atacar, também o era a defender, e demorou pouco para o FC Porto chegar ao 2-0, com uma excelente jogada pelo corredor central, depois de Mbemba encontrar Uribe junto à área. Contudo, o VAR viu que o colombiano tocou na bola com o braço, o que invalidou o golo.

O FC Porto partia então para o intervalo com uma vantagem mínima no marcador, mas não parecia crível que o resultado se mantivesse assim na segunda metade.

E, de facto, aos 58', Corona isolou Marega na profundidade e o avançado não falhou: 2-0.

A vantagem dava finalmente o conforto desejado aos portistas e, pelo contrário, provocava mudanças no Belenenses SAD: Cassierra, Phete e Dieguinho entraram em campo para os lugares de Marco Matias, Ricardo Ferreira e Edi Semedo (e, pouco antes, Show também já tinha entrado, por lesão de André Santos).

O visitante começava então a melhorar a sua produção ofensiva, chegando mais perto da baliza de Marcano, mas a verdade é que só aos 77' conseguiu criar a sua única oportunidade de golo da 2ª parte: Nuno Pina cabeceou ao poste.

Mas já antes, aos 74', o FC Porto tinha chegado aos 3-0: Phete perdeu uma bola a construir e, depois, derrubou Diaz - que tinha entrado para o lugar de Corona - na área. Alex Telles assumiu o penálti e marcou.

O jogo corria então sem grandes problemas para os portistas e quando Fábio Vieira - que tinha sido o primeiro a entrar, para o lugar de Otávio - foi derrubado por Show junto à área, no corredor direito do ataque, o livre parecia perfeito para o pé esquerdo de Alex Telles.

Contudo, após conversa com Fábio Vieira, o lateral brasileiro sorriu e deixou o jovem assumiu o livre... e Fábio Vieira fez mesmo o 4-0, marcando o seu primeiro golo pelo FC Porto.

O jogo já estava mais do que decidido, mas ainda haveria tempo para mais um belo momento: após um canto para o Belenenses SAD, Diaz recuperou a bola e saiu rapidamente para o contra ataque. Entrou no meio-campo alheio, conduziu a bola até à entrada da área e, por fim, rematou com vigor para o que seria um golaço.

5-0 para o FC Porto, que provou que não está distraído: com seis pontos de avanço para o Benfica, faltando quatro jogos para o final da prova, já "só" precisa de ganhar mais duas partidas para se sagrar campeão nacional.