Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Sérgio Conceição: “Gosto de me sentir no fio da navalha, sou um lutador por natureza”

O treinador do FC Porto sobre o jogo de sábado, com o Sporting, que vale três pontos e um bocadinho mais, como ele explica

Tribuna Expresso

RUI DUARTE SILVA

Partilhar

O clássico

"Os resultados importantes para nós são sempre as vitórias. Quando cheguei aqui há quatro anos falaram-me num primeiro teste logo no primeiro jogo. Depois veio mais outro. Depois começou a 'Champions' e veio mais outro. Tenho andado em testes desde que estou cá. E ainda bem, porque gosto de ter esses testes e de me sentir no fio da navalha, porque gosto de ir à luta e desses desafios. Sou um lutador por natureza, nem sempre faço bem as coisas, como é óbvio, mas tento sempre em consciência fazer o melhor a todos os níveis: dedicação, ambição e trabalho. É um jogo que vale três pontos, mas contra um concorrente direto. O Sporting é sempre um histórico candidato ao título e claro que vale três pontos, mas três pontos importantes. Claro que três pontos agora não serão diferentes de três pontos mais à frente, mas obviamente num confronto com equipas com o mesmo objetivo esses três pontos têm outro peso".

Seleções

"Trabalhei com sete jogadores durante duas semanas, depois foram chegando mais, o que dificulta muito a preparação de um jogo. Quando se faz um trabalho, a equipa toda está englobada, e aqui não aconteceu."

Mercado

"Um treinador é um eterno insatisfeito. É o mercado que é, não podemos estar super felizes quando se perdem jogadores importantes para a equipa, mas é normal. Temos que respeitar o mercado. A dificuldade que existe a nível mundial e num clube que está sob alçada financeira da UEFA, torna tudo ainda mais difícil. Os novos jogadores foram por empréstimo, do mercado nacional e alguns a custo zero. Estou aqui para treinar, os dirigentes estão para olhar para outras situações, como o equilíbrio financeiro do clube. O que eu sei é que com a exigência de um clube como o FC Porto, não é chegar e jogar. Há um período de adaptação, nomeadamente para entrar na dinâmica da equipa. Os jogadores ainda não estão preparados, apesar de terem uma vontade enorme".