Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
FC Porto

Sérgio Conceição: "Não podemos olhar para o trajeto do Marselha na Champions mas para a qualidade do treinador e jogadores"

O treinador do FC Porto sabe que a sua equipa está a um passo da qualificação para os oitavos de final da Champions em caso de vitória na quarta-feira, mas desvaloriza a facilidade com que os dragões bateram o Marselha em casa

Tribuna Expresso

FRIEDEMANN VOGEL

Partilhar

Última oportunidade para o Marselha

“Os seis jogos são seis jogos muito competitivos e difíceis e este não foge à regra. O Marselha tem aqui se calhar a última oportunidade de manter a chama bem viva para a passagem aos oitavos e nós não nos podemos esquecer que o Marselha, se ganhar os dois jogos que tem em atraso na liga, é o primeiro classificado. Não podemos olhar para aquilo que tem sido o trajecto na Champions mas para a qualidade do treinador e dos jogadores. Isso por si só diz a dificuldade que vamos ter, isto não baixa a nossa expectativa de ganhar ao Marselha, mas a realidade é esta. Não está nada decidido, é um grupo muito equilibrado, temos o City, mas também não é uma equipa invencível”

Pepe indisponível

“O Pepe vai ser muito difícil, direi mesmo impossível ele estar disponível para o jogo. Vai acompanhar-nos mas não está disponível para jogar. Em relação ao Sérgio [Oliveira] eu não gosto muito de individualizar, ele tem feito parte da equipa titular. Ele diz que está mais capaz e isto é do trabalho diário que temos feito com ele e ele ao aceitar essa vontade de melhorar. Já trabalho com ele há alguns anos, até em França, no Nantes. Olhando para ele nessa altura, no Nantes, e agora no FC Porto, é um jogador completamente diferente, é mais maduro, passaram alguns anos. É um jogador mais completo. O Sérgio neste momento está bem. Mas ainda ontem estava a ver um programa e estavam a questionar o valor do Messi. Do Messi. Por isso, é preciso dar continuidade e o futebol é exatamente isso. Gostamos muito de repetir isto: o futebol é o momento. Mas é verdade. Se fizer dois ou três jogadores maus o treinador está pronto para ir embora e os jogadores começam a ouvir assobiadelas”

Resposta dos jogadores na Taça

“Eu conto com todos, mas só 11 é que podem jogar. É importante a disponibilidade dos jogadores e aquilo que mostraram com o Fabril dizem-me que tenho opções válidas. A seriedade com que defrontámos uma equipa de um escalão inferior foi muita e é demonstrativo do espírito e de alguma maturidade que existe no balneário. Fiquei agradado com a resposta”

Expectativas na Champions nesta altura

“Esperava ter mais nove pontos. Três jogos, nove pontos. Independentemente das equipas que defrontámos, era o que esperava. Mas acredito e sei e toda a gente está de acordo que neste momento estamos numa boa posição para passar aos oitavos. Depende deste jogo, que pode ser extremamente importante nesse sentido”

Mbemba pode substituir Pepe como líder?

“São personalidades um bocadinho diferentes. O Mbemba é um bocadinho mais introvertido que o Pepe, mas não quer dizer que na forma como aborda o jogo não seja um líder. Mas há vários tipos de líder: há uns que falam mais, outros menos. É como os treinadores. Nós precisamos de 11 líderes lá dentro. E o estatuto é mostrado pelo trabalho diário. O Pepe não é um líder porque tem 37 anos e jogou no Real Madrid, é líder porque é o primeiro a chegar e o último a ir embora, é um profissional fantástico. Há muitos aqui dentro dentro. Qual é o estilo que prefiro? Gosto muito das pessoas muito apaixonadas pela vida, por aquilo que fazem. E gosto que mostrem as suas emoções, as suas sensações. Também porque sou assim, não é?”

Marega e Taremi, parecidos?

“Não são nada parecidos. Nós temos jogado com um avançado. Demos continuidade no início da época àquilo que fizemos de bom na época passada. Até há bem pouco tempo jogámos só com uma referência na frente. Tenho optado muitas vezes por Marega e Luis Diaz, que é uma dupla que dá coisas diferentes do Marega e Taremi. É normal que os adeptos criem essa voz de preferir este ou aquele, mas cabe-me a mim decidir e penso que não tenho decidido muito mal porque em três anos fomos duas vezes campeões e perdemos um campeonato com 85 pontos. Nunca vou tomar qualquer decisão por influencia desde ou daquele, dentro ou fora do clube. Mas depois também admito que em algumas formações iniciais que errei também. E que se pudesse voltar atrás tinha decidido de forma diferente, mas isso no final do jogo é fácil”

Espera entrada forte do Marselha?

“Temos de entrar de uma forma forte no jogo, isso sem dúvida, porque do outro lado vai estar uma equipa que quer fazer o mesmo. O Marselha tem jogadores muito experientes, de seleção, um treinador que também não é um desconhecido. As críticas que têm sido feitas ao Marselha podem até funcionar ao contrário, podem ferir o orgulho da equipa, que depois quer dar uma resposta positiva. Queremos estar preparados para isso”