Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
FC Porto

Conceição, entre a alegria da vitória e a "profunda tristeza" pela morte de Reinaldo Teles: "Viu-me chegar aqui com 16 anos. Era um amigo"

Foi um Sérgio Conceição emocionado aquele que chegou à flash da TVI após a vitória do FC Porto em Marselha, por 2-0. Uma vitória dedicada a Reinaldo Teles, num jogo "difícil", mas com um resultado "merecido"

Tribuna Expresso

Baptiste Fernandez/Getty

Partilhar

Sentimento agridoce

“Há um misto de estar agradado com a vitória e essa profunda tristeza em que estamos todos nós portista e todos no mundo do futebol. O sr. Reinaldo era uma figura amada por todos os clubes, por toda a gente que anda no futebol. Pudemos ganhar este jogo e dedicar-lhe a vitória, porque queríamos muito dedicar-lhe a vitória. O sr. Reinaldo viu-me chegar aqui com 16 anos, conhece a minha família, era um amigo. Não é fácil, mas é a vida”

A vitória

“Um jogo difícil, é normal, estávamos a jogar com a equipa que se ganhar os dois jogos que tem em atraso fica em 1.º na liga francesa, que é uma liga extremamente competitiva e de grande nível. Entrámos no jogo e sentimos que o Marselha queria muito os três pontos para continuar com esperanças de passar. Estavam mais agressivos e intensos do que no Porto. Acho que nos primeiros 20 minutos, enquanto eu não mudei uma ou outra peça, tivemos algumas dificuldades. Depois ajustámos, surgiu o golo. Acabámos bem a 1.ª parte e a 2.ª parte praticamente foi nossa. Depois da expulsão aproveitámos o lançamento de linha lateral, algo que foi falado várias vezes nas palestras, não foi por acaso. Foi dessa forma que conseguimos o 2-0, muito merecido na minha opinião. Os jogadores foram uns verdadeiros campeões hoje. Falta um ponto e todos os pontos são importantes e nós temos de continuar com tranquilidade”

Equipa inteligente na gestão?

“Eu não gosto muito da palavra gestão, porque quando se tenta gerir quando se está a ganhar acaba-se por aqui ou acolá cometer alguns erros, baixar a intensidade. Já tivemos alguns dissabores por causa disso. Gosto que a equipa esteja a ganhar, continue com os olhos na baliza adversária, muito coesa em termos defensivos, para então gerir o jogo. A melhor forma de gerir um é continuar com intensidade, pressão alta, para conseguir fazer mais golos. O segredo está aí e os jogadores hoje interpretaram na perfeição essa gestão”