Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Sérgio Conceição: "Se o jogo acabasse empatado não seria escândalo nenhum. Até acho que seria mais justo, sinceramente"

O treinador do FC Porto salientou o jogo feito pelo Santa Clara após vencer (2-1) a equipa açoriana, criticando o calendário sobrelotado com os jogos das seleções e reforçando que "este jogo era Champions", para sublinhar que os jogadores estavam focados nesta partida e não na de quarta-feira, contra o Chelsea

Tribuna Expresso

MIGUEL RIOPA/Getty

Partilhar

A análise ao jogo

"Temos de olhar para o contexto deste jogo. Não nos podemos esquecer que trabalhámos com oito jogadores durante duas semanas. Temos de olhar para aquilo que foram duas unidades de treino para muitos deles, mas de recuperação só. Após as seleções é muito difícil. Isso não é desculpa para nada.

Fizemos o mais importante que era ganhar o jogo, há que dar mérito também a uma equipa muito consistente do nosso campeonato, que se conhece bem, estão completamente tranquilos na tabela, é uma equipa positiva e parabéns ao Daniel Ramos e à equipa do Santa Clara por aquilo que fizeram aqui.

Olhando para a primeira parte, foi equilibrada, na segunda parte tivemos quatro ou cinco ocasiões claras e o único remate que o Santa Clara fez à baliza foi o do penálti, o do golo. Isso não invalida aquilo de bom que fez e se acabasse empatado o jogo não seria escândalo nenhum. Até acho que seria mais justo, sinceramente, por aquilo que foi o jogo e o processo ofensivo do Santa Clara.

Temos de olhar para a fadiga dos jogadores, estamos a um mês e meio de acabar o campeonato, o Corona é o jogador mais utilizado, fez dois jogos amigáveis quase na totalidade pela seleção e teve de descansar no jogo oficial. Infelizmente, os clubes é que pagam por isso."

O desgaste do calendário sobrelotado

"O Zaidu chegou no último dia, o Corona igual, o Mbemba também tem sido dos jogadores mais utilizados e teve uma viagem incrível para chegar a Portugal, com os voos internacionais. A preparação do jogo foi difícil.

Demonstrámos o que é importante e fico muito feliz por isso. Os jogadores entram sempre com uma vontade muito grande em acrescentar alguma coisa ao jogo e corrigir uma exibição menos positivo de um, ou outro colega. Isso diz muito do espírito que se vive aqui."

A variabilidade no jogo

"Para dar coisas diferentes ao jogo, com jogadores um pouco mais refinados em termos técnicos e difíceis de parar no um contra um. No forcing final, optei novamente nos dois avançados, colocando o Fábio Silva à esquerda porque sei que tem qualidade de cruzamento e passe acima da média, com o Francisco [Conceição] também a dar coisas diferentes e o Corona um bocadinho mais avançado.

Tentámos tudo para ganhar o jogo, penso que é merecido pelas oportunidades que tivemos, mas há que salientar a prestação do Santa Clara".

O jogo contra o Chelsea que aí vem

"A nossa Champions era este jogo. Meti o onze que achava ser o mais forte para este jogo, este é que era importante. Ainda temos uma palavra a dizer no campeonato e o ADN do FC Porto é acreditar até que seja matematicamente impossível. Não podemos deixar mais pontos pelo caminho."