Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Sérgio Conceição: "Não podemos fugir àquela máxima do futebol de que os avançados vivem de golos, mas para mim isso são tangas"

Em antevisão ao jogo com o Tondela, no sábado (18h, Sport TV2), o treinador do FC Porto respondeu, em parte, assim quando questionado sobre Taremi, que não marca há oito jogos, mas também voltou a falar acerca do calendário apertado e do pouco tempo de recuperação: "acabamos o campeonato a 19 de maio, por que não acabá-lo três ou quatro dias depois, defendendo as equipas que estão na Europa?"

Tribuna Expresso

Octavio Passos/Getty

Partilhar

Tondela, o próximo adversário

"Esperamos dificuldades, como esperamos de equipas bem orientadas e com um plantel com qualidade individual. O Tondela, principalmente em casa, tem feito um campeonato muito bom, acima da média, acho que dos 28 pontos, 23 foram conquistados em casa. É uma equipa que sofreu poucos golos, mostrando consistência e força quando joga no seu estádio.

Não sendo eu um apreciador de estatísticas, tendo de olhar para elas e perceber que o Tondela, em casa, é um bocadinho mais forte, excetuando este último jogo, em que esteve a um nível muito bom contra o Vitória [em Guimarães]. Agora, os jogos são todos diferentes e vamos, com certeza, dar uma boa resposta dentro de um cenário que todos sabemos ser difícil.

Não só pela equipa do Tondela, mas pelas 60 e poucas horas [desde o jogo com o Chelsea]. Chegámos eram 3h30 para aí, alguns jogadores chegaram a casa às 4h, alguns adormeceram às 5h. E ao início da tarde vamos viajar para Tondela, isto também é uma dificuldade. Compreensível? Para mim não, acabamos o campeonato a 19 de maio, por que não acabá-lo três ou quatro dias depois, defendendo as equipas que estão na Europa?

Mas este é o velho discurso de quem tem jogos internacionais pelo meio. Há pouco tempo de recuperação entre competições completamente distintas. Muitos poderiam não acreditar numa equipa portuguesa em fase avançada nas competições europeias, mas, se alguma equipa ainda estivesse na Liga Europa, ainda era pior, porque jogavam à quinta-feira. É um contexto difícil, temos de olhar para essas dificuldades".

Como se separa o jogo com o Chelsea e o Tondela?

"Este é um jogo importantíssimo para nós. À medida que vamos caminhado para o final do campeonato, os jogos ganham outro peso. Há menos tempo para recuperar, temos uma desvantagem de oito pontos em relação ao líder e temos de olhar para as equipas que vêm atrás e estão próximas de nós.

É uma final e temos de dar uma resposta positiva, independentemente do contexto difícil que vamos encontrar. Essa mentalidade tem que estar presente. Estamos a pouco mais de um mês do fim do campeonato e os jogos ganham um peso maior".

Sérgio Oliveira e Taremi já podem jogar

"Tenho que olhar para os jogadores que estão disponíveis. Ainda não sabemos a disponibilidade do Sérgio, hoje fez treino integrado. Olho para o que é a forma como vamos encarar este jogo e a estratégia que tenho de delinear para sermos competentes e ganharmos os três pontos. Depois, os elementos que vão interpretar essa mesma estratégia são aqueles que derem mais garantias, tenham mais ou menos minutos".

Taremi não marca há oito jogos

"Os jogadores passam por períodos bons, menos bons, durante a época. Têm momentos em que sem muito procurarem acontece o golo de forma quase natural, e outros em que não acontece e trabalham muito para que aconteça.

Para mim, o importante é que os jogadores façam aquilo que lhes é pedido quando entram em campo. Se não é o Taremi e for o Manel ou o Joaquim a fazer o golo e a ser decisivo, desde que eu ganhe, não há problema. Dou tanta responsabilidade ao avançado para marcar, como dou para fazer a pressão mais alta em termos defensivos.

Dou tanta importância ao jogador que faz a assistência, como ao que faz golo, como dou ao jogador que recuperou a bola para estarmos no momento de transição ofensiva. É um trabalho coletivo e coloco o coletivo sempre acima de tudo. Claro que não podemos fugir aquela máxima do futebol de que os avançados vivem de golos, mas para mim isso são tangas."

Ter encurtado distância para o Sporting dá motivação?

"Temos de olhar para o que somos. Estou a lembrar-me de alguns jogos em que perdemos pontos e nada previa que os perdêssemos e, sinceramente, não foram culpa da equipa. O que passou, passou, não há nada a fazer, temos de olhar para o que temos e podemos fazer no resto do campeonato.

Espero, sinceramente, que o resto do campeonato corra da melhor forma para toda a gente, para todos os agentes que possam decidir um jogo. E espero que os atores principais sejam os jogadores. Espero que estejam no máximo. Estamos no meio de uns quartos-de-final da Liga dos Campeões, agora vamos a Tondela jogar praticamente uma final e isto exige que os jogadores tenham uma mentalidade forte, de verdadeiros campeões. Só assim vamos ganhar o jogo em Tondela, que é a nossa obrigação e é para isso que lutamos. Esta é a nossa Champions.

Tudo o que se passou antes no campeonato, as nossas perdas de pontos e dos adversários, no final vamos fazer as contas. E claro que a equipa que perder menos pontos vai ganhar o campeonato e tem que se dar os parabéns, ponto final. Obviamente que estamos atento ao que os adversários fazem e claro que ficamos contentes ao encurtar a distância."

O gesto que fez contra o Chelsea, a sugerir um campo inclinado

"Aconteceu que o FC Porto fez 12 remates e Chelsea seis, que tivemos mais do dobro dos cantos, que fizemos um jogo fantástico. Fizeram por esmiuçar ao máximo aquilo que foi a estratégia? Não, se calhar preocupam-se com o gesto, o piscar de olho, a pestana, sair o mal-disposto e entrar o bem-disposto. Isso não é futebol. Isso faz do futebol, mas não é futebol".

A exibição de Grujic contra o Chelsea

"Fico com dores de cabeça é quando leio algumas coisas sobre a exibição em Sevilha. Estou de acordo, foi um jogador como os outros, fez uma excelente exibição, não foi fantástica porque perdemos. Mas o Grujic fez uma exibição que me agradou muito. Fico com dor de cabeça é quando já pessoas que têm a sua forma de ver futebol e acham que não fez uma boa exibição e que fez falta o Sérgio Oliveira".

Diogo Costa testou positivo para covid-19

"Ontem fizemos testes e está tudo negativo, há membros do staff que estão positivos, mas, sinceramente, os jogadores fazem mais falta. Não que os dirigentes não façam, que me desculpem, mas quem vai lá para dentro são os jogadores."