Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Antigo eurodeputado chamou “grunho” e “desprezível” a Sérgio Conceição. Agora retratou-se em tribunal

Em março de 2019, Manuel dos Santos utilizou no Twitter expressões insultuosas sobre o treinador ‘azul e branco’, tendo esta segunda-feira, no Tribunal Judicial do Porto, lamentado o sucedido, aceitando o pagamento de um valor para a instituição ‘O coração da cidade’, indicada por Sérgio Conceição

Lusa e Tribuna Expresso

JOSE COELHO/EPA

Partilhar

O antigo eurodeputado Manuel dos Santos retratou-se esta segunda-feira em tribunal dos insultos dirigidos ao treinador de futebol do FC Porto Sérgio Conceição, em março de 2019.

Na altura, Manuel dos Santos utilizou no Twitter expressões insultuosas sobre o treinador ‘azul e branco’, nomeadamente "grunho" e "desprezível", tendo no Tribunal Judicial do Porto lamentado o sucedido, aceitando o pagamento de um valor para a instituição ‘O coração da cidade’, indicada por Sérgio Conceição.

Após o início da diligência, no quarto juízo local criminal do Porto, no qual Sérgio Conceição era assistente e ofendido, Manuel dos Santos prestou uma declaração, que vai ser registada em ata e homologada como sentença.

“Eu, Manuel António dos Santos, declaro perante este Tribunal que pretendo retratar-me publicamente das afirmações que fiz a respeito do Sr. Sérgio Paulo Marceneiro da Conceição, afirmações que fiz a quente, que reconheço serem injustas e inapropriadas, nas quais não me revejo e que, por isso, pretendo retirar publicamente. Lamento, ainda, os danos reputacionais que possa ter causado ao Sr. Sérgio Paulo Marceneiro da Conceição com as minhas afirmações irrefletidas”, afirmou o antigo eurodeputado.

O economista de profissão foi eurodeputado entre 2001 e 2019, depois de ter sido deputado na Assembleia da República, desde 1980, em ambos os casos eleito pelo PS, partido do qual foi suspenso dos direitos de eleger e ser eleito, por ter chamado "cigana" à presidente da Câmara de Matosinhos, uma decisão sobre a qual recorreu para o Tribunal Constitucional.