Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Aqui estão os 21 futebolistas à disposição de Sérgio Conceição no arranque da pré-época

Depois dos habituais exames médicos e as avaliações clínicas, os treinos começam este sábado. Equipa técnica tem uma cara nova

Lusa

Octavio Passos/Getty

Partilhar

O plantel principal do FC Porto regressou ao trabalho na sexta-feira, tendo em vista o arranque da nova temporada da I Liga portuguesa de futebol, contando com 21 jogadores ao serviço de Sérgio Conceição.

No primeiro dia, os jogadores realizaram os habituais exames médicos e as avaliações clínicas.

Cláudio Ramos, Diogo Costa, Francisco Meixedo, Carraça, Diogo Leite, Fábio Cardoso, Manafá, Marcano, Mbemba, Nanu, Rodrigo Conceição, Zaidu, Loum, Rodrigo Valente, Romário Baró, Vítor Ferreira, Fábio Vieira, João Mário, Francisco Conceição, Fernando Andrade e Toni Martínez foram os 21 atletas às ordens da equipa técnica liderada por Sérgio Conceição.

O FC Porto começa os treinos este sábado, de novo no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia. Entretanto, o clube anunciou que Vedran Runje é o mais recente elemento da equipa técnica de Sérgio Conceição. Aos 45 anos, o antigo internacional pela Croácia fará dupla com Diamantino Figueiredo e é o novo treinador de guarda-redes do FC Porto.

Vedran Runje iniciou a carreira de jogador no clube da cidade natal, o Hadjuk, antes de se mudar para a Bélgica, onde jogou no Standard Liège durante três temporadas.

Entre 2001 e 2004 defendeu as redes do Marselha e defrontou o FC Porto no início da campanha dos Dragões rumo à vitória na Liga dos Campeões. Depois da segunda passagem por Liège esteve um ano Istambul, ao serviço do Besiktas, e terminou a carreira após quatro épocas na baliza dos franceses do Lens.

Nas últimas temporadas Vedran Runje foi treinador de guarda-redes do Hadjuk Split e do Antuérpia.

Sérgio Conceição, em declarações à edição de julho da revista "Dragões", fez uma pequena abordagem ao arranque da época 2021/22 e salientou a vontade de vencer.

"Vencer é sempre mais difícil, mas essa necessidade faz com que as pessoas que trabalham num clube como o FC Porto sintam diariamente essa exigência. Desde os meus 16 anos que tenho a noção de que essa verdade se encaixa perfeitamente naquilo que eu sou: vencer uma peladinha ou vencer um jogo da fase final da Liga dos Campeões tem de ser algo normal", referiu.