Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
FC Porto

Olá, eu sou o Sérgio Oliveira e quero recuperar o meu protagonismo no FC Porto

A viver um começo de temporada no qual tem estado mais tempo no banco do que no campo, Sérgio Oliveira assumiu-se como a grande figura da natural goleada (5-0) do FC Porto frente ao Sintrense, do 4.º escalão do futebol português. O médio marcou dois golos e fez uma assistência num duelo que também foi aproveitado por Evanilson, autor de um bis, para marcar pontos junto de Sérgio Conceição

Pedro Barata

Gualter Fatia/Getty

Partilhar

Não é preciso ir até aos confins da memória para pensarmos em períodos nos quais Sérgio Oliveira foi uma das principais figuras do FC Porto de Sérgio Conceição. Em 2019-20, no último campeonato vencido pelos "dragões", o médio foi fundamental para a recuperação pontual operada pela equipa; na época passada, Oliveira fez a melhor temporada da carreira, com 20 golos marcados, o galardão de futebolista do ano nos "dragões de ouro" e presença constante na seleção nacional, sendo mesmo utilizado nas duas última partidas do conjunto de Fernando Santos no Euro 2020.

No entanto, os primeiros tempos da nova campanha têm sido bem diferentes para o médio de 29 anos. Dos 10 primeiros duelos disputados pelo FC Porto na temporada, Sérgio só foi titular em dois, disputando somente 249 dos primeiros 900 minutos dos azuis e brancos na época.

Ora, Oliveira aproveitou a estreia do FC Porto na Taça de Portugal para provar que está disposto a voltar aos seus melhores tempos no clube. Na goleada, por 5-0, imposto pela equipa de Sérgio Conceição ao Sintrense, na 3.ª eliminatória da prova, Oliveira marcou os dois primeiros tentos dos "dragões" e ainda assistiu para o 3-0, numa exibição digna de alguém disposto a aproveitar a oportunidade.

Gualter Fatia/Getty

A diferença de nível entre ambos os conjuntos fazia antever um duelo desequilibrado, algo que se veio a confirmar. O Sintrense joga no Campeonato de Portugal, o 4.º escalão do futebol nacional, a várias galáxias de distância de um FC Porto que terá como próximo compromisso a recepção ao AC Milan, sete vezes campeão da Europa. Já o seguinte compromisso do Sintrense será a visita ao Coruchense. Mundos diferentes que só a magia da Taça de Portugal pode permitir que, durante 90 minutos, se cruzem.

O Sintrense apresentou uma equipa titular muito jovem, na qual Luís Mota, de 28 anos, era o único jogador do onze com mais de 24 anos de idade. E se os primeiros instantes do duelo foram algo mornos, rapidamente Sérgio Oliveira espelhou no marcador a diferença de qualidade individual existente.

Ao minuto 16, após um erro na saída de bola do Sintrense, a bola chegou a Sérgio Oliveira que, à entrada da área, rematou forte e bateu Diogo Garrido, guardião de 21 anos com passagem pela formação do Benfica, onde chegou a actuar ao lado de João Félix, Florentino Luís ou Nuno Tavares. Pouco depois, ao minuto 27, nova perda de bola do Sintrense no seu meio-campo levou Evanilson a solicitar Sérgio Oliveira, assistindo o médio Chico Conceição. O jovem canhoto não conseguiu marcar (esteve perdulário na finalização durante todo o desafio), mas na recarga Sérgio Oliveira fez o 2-0.

Sérgio Conceição havia apostado num onze com vários jogadores que não têm sido presença habitual entre os titulares. Marchesín realizou os primeiros minutos da temporada, Pepê estreou-se a titular pelo FC Porto e Fábio Cardoso, Manafá ou Evanilson realizaram somente o segundo encontro da época de início. Ao minuto 50, já com 2-0 no marcador, a forma como a equipa correu para trás para travar uma transição rápida do Sintrense evidencia a seriedade apresentada pelos jogadores dos "dragões".

Ao minuto 55, Sérgio Oliveira voltou a ter momento de protagonismo, com uma assistência a isolar outro futebolista que aproveitou o fim de tarde para marcar pontos. Evanilson ganhou espaço nas costas da defesa e, com serenidade, aumentou a vantagem portista.

Com o decorrer da segunda parte, o desgaste de um Sintrense não habituado a este nível de oposição foi-se notando e passando factura aos seus jogadores. À passagem da hora de encontro, Conceição colocou Zaidu, Fábio Vieira e Vitinha e os últimos 30 minutos foram de dificuldades para um Sintrense que a cada minuto que passava ia sendo oposição menos difícil para os "dragões".

Gualter Fatia/Getty

Ao minuto 69', Evanilson, num lance de insistência, fez o 4-0, aproveitando a passividade de Tahar - sim, o filho do Tahar internacional marroquino que jogou no União de Leiria e Benfica. Logo a seguir, o atacante brasileiro foi substituído por Toni Martínez e o espanhol demorou cinco minutos para fixar o resultado final. Desde 15 de agosto que Toni não marcava, pelo que foi outro homem que aproveitou a Taça para recuperar alguma confiança.

Num encontro marcado pela seriedade colocada pelo FC Porto em todos os momentos, Marchesín não teve de fazer qualquer defesa apertada. Num choque entre equipas pertencentes a universos futebolísticos diferentes, Sérgio Oliveira quis provar que, no universo de elite no qual o FC Porto se move, continua a ter condições para ser um jogador de grande destaque.