Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
FC Porto

Sérgio Conceição: “A primeira coisa que fiz quando o Francisco me abraçou foi dizer-lhe ‘vai agradecer ao Mehdi’”

Treinador do FC Porto ficou satisfeito com a atitude séria da sua equipa na vitória por 5-1 frente ao Feirense e quanto à estreia do filho a marcar explicou que lhe concedeu a grande penalidade por ser "importante dar moral a um avançado, não por ser o Francisco Conceição, mas por ser um jogador que andava há algum tempo à procura do golo"

Tribuna Expresso

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Partilhar

Seriedade

“Vitória importante por termos seguido em frente na Taça de Portugal, que é um objetivo do clube. Depois pela resposta com grande seriedade que a equipa me deu. Ainda hoje vimos equipas de escalões inferiores a ganhar a equipas da I divisão. No plano mais motivacional, mais emocional do jogo há sempre essa faceta em que esses jogadores estão motivados para estes jogos e acho absolutamente normal e natural. Nós estávamos avisados para isso, até pela valia da equipa que íamos defrontar, que está a fazer um excelente campeonato, mas os meus jogadores foram muito competentes, praticamente em todos os momentos do jogo. Não estou totalmente satisfeitos, porque não gosto de sofrer golos, mas no geral estou muito satisfeito com todos”

Lições da derrota na Taça da Liga

“São jogos diferentes. Temos de perceber que não podemos facilitar em nenhum momento. Nós sabemos que nas competições internas temos individualidades que normalmente são mais fortes, somos muito organizados e depois há a vertente mais emocional. São precisas determinadas características, é preciso respeitar o adversário, ter ambição. Quando falta um pouquinho desses ingredientes acabamos por sofrer como aconteceu na Taça da Liga”

Golo de Francisco Conceição

“Vou confidenciar que a primeira coisa que me veio à cabeça quando o Francisco me veio abraçar, muito contente por ter feito o seu primeiro golo, que procurava há algum tempo, foi dizer-lhe ‘vai agradecer ao Mehdi’, porque é ele que normalmente está estipulado para bater os penaltis. Eu achei que naquele momento, com 4-1, era importante dar moral a um avançado, não por ser o Francisco Conceição, mas por ser um jogador que andava há algum tempo à procura do golo. Se fosse outro era outro - o Francisco para mim é igual a todos os jogadores. Obviamente que em casa é diferente, mas consigo separar muito bem aquilo que eu sou aqui e o papel que tenho como treinador e o outro como pai do Francisco e de outros quatro filhos maravilhosos que eu tenho”

Otávio

“No momento pensei que seria algo preocupante mas penso que não será nada de grave. Vamos agora olhar para isso, para os jogadores mais debilitados fisicamente e começar a trabalhar o jogo de Liverpool que é muito importante para nós”