Tribuna Expresso

Perfil

Râguebi

Lógica oval: Portugal perde com Geórgia, mas garante permanência no Seis Nações B

Foram sete ensaios contra três (39-24), mas, em Paris, a seleção nacional esteve, por duas vezes, na frente de um jogo em que muita luta deu à Geórgia, que competiu no último Mundial e reclama, há algum tempo, a promoção para o principal torneio europeu das Seis Nações. Com os restantes resultados do grupo, Portugal já garantiu a permanência no Rugby Europe Championship, a segunda divisão do râguebi europeu

Diogo Pombo

Baptiste Fernandez/Getty

Partilhar

Quando, aos sete minutos, se vislumbrou Manuel Cardoso Pinto a serpentear velozmente, evitando braços e evadindo placagens, acelerado e com a bola nas mãos, a tocar o ensaio que daria o 7-7, poder-se-ia achar que ali estava a prova de que, em tão pouco tempo, a seleção tinha dado passos de gigante suficientes para bater de frente na Geórgia e não recuar, aguentar o terreno, competir em tudo contra uma seleção que esteve nos últimos cinco Mundiais.

De facto, Portugal deu luta em muita coisa.

O jogo à mão, os metros ganhos com linhas de corrida, a dinâmica dos três quartos e a vantagem de ter tipos como o citado defesa ou Dany Antunes, que marcaria outro ensaio, aos 25 minutos, para deixar a seleção a ganhar contra a toda a poderosa equipa que muitos jogadores distribui nos principais campeonatos europeus.

Em quase todas as formações ordenadas, os georgianos tinha a pesada base a que, muitas vezes, iam buscar vantagens para crescer no jogo. Os quilos per capita e o consequente poder de músculos no choque iam, aos poucos, reclamando metros. "Acabamos por ser dominados pelo poderio físico dos georgianos", resumiria, no final, Patrice Lagisquet, o francês que treina a seleção portuguesa.

Na segunda parte, um ensaio de João Lobo e uma conversão do luso-francês Dany Antunes, a pontapear e jogar em frente a muitos emigrantes nas bancadas, mantiveram Portugal em vantagem até ao último quarto de hora.

Até a seleção sofrer um ensaio-penalidade, por castigo a um toque para a frente deliberado na área de 22 metros portuguesa. Houve cartão amarelo, ficou menos um português em campo, abriram-se mais espaços e os georgianos aproveitaram-nos com dois ensaios.

Portugal perdeu (39-24), a Geórgia garantiu a conquista do Seis Nações B e Tomás Appleton, o capitão da seleção nacional, deixou uma garantia: "Temos um enorme potencial".