Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Caso e-toupeira. Pedro Proença diz que prendas a árbitros são normais, mas não há explicação para ofertas a funcionários judiciais

Ouvido ontem pela juíza Ana Peres, Pedro Proença, presidente da Liga de Clubes, disse que e é normal os clubes oferecerem camisolas aos árbitros, tanto que, ao longo da sua carreira, recebeu várias como oferta. Contudo, a mesma lógica não se aplica a funcionários judiciais

Expresso

Foto Rui Duarte Silva

Partilhar

Pedro Proença, ex-árbitro e presidente da Liga de Clubes, foi chamado ontem a testemunhar no âmbito do processo e-toupeira. Em declarações à juíza Ana Peres, conta o “Correio da Manhã”, Proença disse que e é normal os clubes oferecerem camisolas aos árbitros, tanto que, ao longo da sua carreira, recebeu várias como oferta.

O presidente da Liga de Clubes, testemunha arrolada pela Benfica SAD, não soube, no entanto, explicar porque razão haveria o Benfica de oferecer bilhetes e camisolas a dois funcionários judiciais de Fafe e Guimarães.Júlio Loureiro e José Augusto, lembremos, são acusados de espiarem vários processos judiciais a mando do Benfica.

Segundo o “CM”, a juíza Ana Peres realiza esta quarta-feira uma inspeção às garagens do Estádio da Luz, onde Paulo Gonçalves, ex-assessor jurídico do clube, foi fotografado a entregar prendas às “toupeiras”.