Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Bem mostrado o amarelo a João Silva? O segundo golo do FC Porto é legal? Pepe fez falta para penálti? O que dizem os especialistas

Artur Soares Dias, o juiz da partida, teve “o mérito de não complicar, fazendo uma arbitragem quase sem erros”, escreve Jorge Faustino, especialista em arbitragem, no “Record” esta segunda-feira

Expresso

MIGUEL RIOPA

Partilhar

Após a derrota para o campeonato com o Benfica, o FC Porto voltou a ganhar. Ultrapassou um Feirense lutador por 2-1. Artur Soares Dias, o árbitro da partida, teve “o mérito de não complicar, fazendo uma arbitragem quase sem erros”, escreve Jorge Faustino, especialista em arbitragem, no “Record” esta segunda-feira.

Minuto 18. Bem mostrado o amarelo a João Silva por falta sobre Felipe?

“João Silva levantou o pé para tentar jogar a bola e, não o conseguindo fazer, acabou por acertar, de forma negligente, com a sola na coxa de Felipe. Lei da vantagem bem aplicada. Amarelo bem exibido”, escreve Jorge Faustino, no “Record”.

“João Silva tem uma entrada perigosa e ativa, atingindo a perna de Felipe de forma violenta. Jogo perigoso ativo com contacto que teria de ser punido com vermelho”, defende Fortunato Azevedo, no “Jogo”.

Minuto 35. O segundo golo do FC Porto é legal?

“Infração de Vítor Bruno sobre Otávio. O jogador do Feirense entra em tackle lateral com algum perigo para o adversário. Livre direto e cartão amarelo bem exibido”, aponta Marco Ferreira, no “Record”.

“O remate foi feito próximo, a bola encontrou o braço de um jogador do Feirense, ressaltando para Felipe, tocando-lhe no tronco sem que existisse qualquer infração por parte deste jogador. Na sequência do ressalto, Pepe aproveitou para fazer golo legalmente”, escreve Jorge Coroado, no “Jogo”.

Minuto 90. Pepe cometeu falta para penálti sobre João Silva?

Os três especialistas em arbitragem do “Jogo” defendem a decisão de Artur Soares Dias. “Disputa de bola legal. Não houve carga, não houve empurrão, Pepe não agarrou o adversário, nem fez falta. Decidiu bem não assinalar penálti”, escreve José Leirós.