Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Faltou mostrar amarelo a João Aurélio? Arsénio estava fora de jogo? Bem anulado o golo de Jonas? O que dizem os especialistas

O juiz da partida, Nuno Almeida, teve uma “arbitragem com critério largo, que beneficiou a velocidade de jogo, mas que potenciou algumas faltas duras”, escreve Jorge Faustino, no “Record” esta segunda-feira.

Expresso

Carlos Rodrigues

Partilhar

O Benfica voltou às vitórias no campeonato. Um esforçado Moreirense perdeu por 4-0 frente às águias. O juiz da partida, Nuno Almeida, teve uma “arbitragem com critério largo, que beneficiou a velocidade de jogo, mas que potenciou algumas faltas duras. Jogo muito exigente para os assistentes que estiveram quase sempre bem”, escreve Jorge Faustino, no “Record” esta segunda-feira.

Minuto 4. Faltou mostrar cartão amarelo a João Aurélio por falta sobre Grimaldo?

“João Aurélio atinge com a sola da bota o tornozelo do Grimaldo por trás, de forma grosseira. Entrada por trás, que coloca em risco a integridade física do adversário. Livre direto e cartão vermelho direto por exibir”, escreve Marco Ferreira, no “Record”.

“A falta foi negligente, perigosa, justificando a exibilização de cartão amarelo que não sucedeu”, defende Jorge Coroado, no “Jogo”.

Minuto 22. Arsénio está em posição irregular?

“Bilel cruzou para Arsénio, que estava ligeiramente adiantado relativamente ao penúltimo adversário. Apesar de não ter tocado na bola, o seu movimento influenciou a ação de Vlachodimos. Fora de jogo bem sancionado”, aponta Jorge Faustino.

“No momento do passe, o jogador do Moreirense estava em linha com o penúltimo adversário.Fora de jogo mal assinalado”, aponta José leirós.

Minuto 30. Foi bem anulado o golo de Jonas?

“Pizzi aparece isolado em posição irregular não assinalada pelo assistente. Na sequência da jogada, Jonas faz golo. O VAR intervém e o árbitro reverte a decisão inicial, anulando bem o golo por fora de jogo”, defende Marco Ferreira.

“No momento do passe, Pizzi encontra-se ligeiramente à frente do penúltimo defensor”, diz Fortunato Azevedo, no “Jogo”.