Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Danny Rose e o racismo: “Não vejo a hora de virar costas ao futebol”

Ainda no mês passado, Rose foi alvo de insultos racistas num encontro a contar para o apuramento do Europeu de 2020, entre a seleção britânica e a Sérvia

Expresso

Clive Rose

Partilhar

O racismo é um problema prevalente no futebol e Danny Rose, internacional britânico, está farto dele.

À imagem do que se passou com Moise Kean, extremo da Juventus que foi alvo de insultos racistas no último fim de semana, o lateral esquerdo do Tottenham já tem um passado com este problema. “Quando as multas aplicadas são iguais àquilo que provavelmente eu gastaria numa saída à noite em Londres, o que podemos esperar?”, afirmou o lateral, em declarações à imprensa britânica esta semana.

Questionado como lida com o racismo em campo, Kean, 28 anos, revelou o seu estado de saturação. “A forma como eu me preparo mentalmente para isto hoje em dia é pensar que já só tenho mais cinco ou seis anos de futebol profissional. Não vejo a hora de ver o futebol pelas costas”, admitiu.

Ainda no mês passado, Rose foi alvo de insultos racistas num encontro a contar para o apuramento do Europeu de 2020, entre a seleção britânica e a Sérvia. “Começou logo no aquecimento, com os gritos de macaco. Depois, durante o jogo, fui atingido por duas pedras quando fui buscar a bola para lançamentos laterais e cada vez que toquei na bola ouvi os cânticos de novo. Estava furioso com aquilo, foi muito difícil concentrar-me”, recordou.