Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

André Almeida: “Por mim, pedia ao Jonas para continuar a jogar futebol mais cinco ou seis anos”

Ser convocado para seleção nacional faz parte dos planos de futuro André Almeida, mas o jogador do Benfica admite que há muita competição na equipa orientada por Fernando Santos

Expresso

André Almeida, lateral direto do Benfica

PATRICIA DE MELO MOREIRA/GETTY

Partilhar

André Almeida acabou a época de rastos. As últimas quatro semanas foram feitas em esforço, impulsionado pela febre de conquistar o título de campeão nacional, admite o jogador do Benfica, em entrevista ao “Record” esta quarta-feira.

“Aguentei estas últimas jornadas porque senti que devia isso ao grupo, por tudo o que me proporcionou. Este título é de um grupo de superação. Ao longo do ano, a equipa soube sempre dar a cara, dar uma resposta quando tinha de dar. Da minha parte, o mínimo que pude fazer foi aguentar as dores para estar com eles lá dentro. O míster soube compreender isso e mesmo às vezes abdicando de treinar para estar nas melhores condições possíveis. Agradeço-lhe ter confiado em mim dessa maneira”, diz André Almeida.

O lateral do Benfica considera, em todo o caso, que esta foi mesmo a sua melhor temporada da equipa encarnada. ,“Posso dizer que a nível de números é a melhor época da carreira. Sempre fui um jogador muito dedicado. Tentei fazer o meu trabalho da melhor maneira possível, mas esta época só se deve ao trabalho de todos. Agradeço aos meus colegas por ter ficado entre os laterais com mais assistências da Europa”, afirma.

Questionado sobre a continuidade de Jonas, André Almeida deixou expresso o desejo de continuar a jogar com o brasileiro durante muitas épocas. “Por mim, pedia-lhe para continuar a jogar futebol mais cinco ou seis anos. O Jonas tem contrato [n.d.r. acaba em junho de 2020] e certamente que irá resolver as coisas da melhor maneira possível”, diz.

Ser convocado para seleção nacional faz parte dos planos de futuro André Almeida, mas o jogador do Benfica, em entrevista ao desportivo, admite que há muita competição na equipa orientada por Fernando Santos. “Eu trabalho sempre nesse sentido, mas o míster Fernando Santos tem escolhido e bem. Ele acabou por ser campeão europeu em 2016, estar presente na final four da Liga das Nações e vencê-la. Isso prova que as escolhas do míster Fernando Santos têm sido feitas da melhor maneira. Acho que quem ele escolher vai ser justíssimo, até porque na minha posição temos jogadores de enorme qualidade como são os casos do João Cancelo, o Nélson Semedo, que foram por sua vez campeões nos seus clubes também. Temos o Ricardo [Pereira], que integrou a equipa do ano da Premier League, e o [Diogo] Dalot, que também tem qualidade. Por isso, quem o míster Fernando Santos escolher, será certamente a melhor opção para a Seleção Nacional”, explica.