Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Adrien Silva: o Leicester foi uma experiência que “realmente não gostei”, o Monaco “é a minha prioridade”

O médio de 30 anos ainda tem mais dois anos de contrato com a equipa britânica, mas assume, em entrevista à “France Football” esta sexta-feira, que a sua prioridade, neste momento, é continuar em França

Expresso

James Williamson - AMA/Getty

Partilhar

Se dependesse de Adrien Silva, o português já não regressava a Inglaterra, ficava em França. O ex-jogador do Sporting foi vendido ao Leicester, mas nunca se conseguiu afirmar na Premier League. Em janeiro, foi emprestado ao Monaco. O médio de 30 anos ainda tem mais dois anos de contrato com a equipa britânica, mas assume, em entrevista à “France Football” esta sexta-feira, que sua prioridade, neste momento, é continuar em França.

“Depois destes bons seis meses em que estive emprestado ao Monaco vou regressar a Leicester, mas, até agora, nada ainda está fechado. Infelizmente, não sei o que me espera. Se nada se alterar, no domingo voltarei a treinar no Leicester”, disse.

Para Adrien, o Leicester foi uma má experiência. “Foi uma experiência que eu realmente não gostei, então, eu e o clube decidimos procurar uma solução juntos. Já não tínhamos começado bem [tinha passado seis meses sem jogar, porque sua transferência do Sporting para Inglaterra foi registrada 14 segundos após o fecho de mercado]. Foi uma experiência difícil em termos de estabilidade emocional . Eu queria descobrir a Premier League, tive a oportunidade de fazer isso. Eu vi o que queria ver, agora minha prioridade é ser feliz e para isso preciso de jogar. Quando tu não jogas muito, o resto fica afetado. Do ponto de vista familiar foi difícil a adaptação também. O estilo de vida é completamente diferente, especialmente para as crianças. Tudo isso não me ajudou. Na verdade, nunca consegui alcançar o meu nível nestes seis meses sem jogar”, contou.

Ser adquirido pelo Monaco era o ideal. “É a minha prioridade. Tenho de estar grato às pessoas que me estenderam a mão. Nunca esquecerei o que o Mónaco fez por mim. Todos sabem que eu e o Leonardo Jardim gostamos de trabalhar juntos. Agora temos de ver o que se passa entre os clubes. Falta desbloquearem as coisas”, disse.