Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

João Rodrigues: o que fez o novo vencedor da Volta

O ciclista de Tavira da equipa W52-FC Porto sagrou-se vencedor da Volta a Portugal, depois de ser o mais rápido no contrarrelógio final da prova

Tribuna Expresso

Tim de Waele

Partilhar

É português, chama-se João Rodrigues, corre pela W52-FC Porto e veio de Tavira para se afirmar, aos 24 anos, como o mais forte ciclista do pelotão nacional. Conquistou a 81.ª Volta a Portugal em bicicleta. O mais novo dos três candidatos, a par do anterior líder Jóni Brandão (Efapel) e do veterano espanhol Gustavo Veloso (W52-FC Porto), acabou por ser o mais forte, numa vitória "anunciada" por bons resultados nos últimos anos. O jornal “O Jogo” resume o percurso do campeão.

Em 2018, depois de ter ficado de fora da edição de 2017 por uma infelicidade, arrancou um sétimo lugar, então ao lado do bicampeão espanhol Raúl Alarcón, ao lado de Veloso.

Esta temporada, foi na zona sul do país, por onde a Volta a Portugal pouco passou, que começou por se evidenciar, ao ser nono na Volta ao Algarve entre o pelotão WorldTour e vencer a Volta ao Alentejo com autoridade.

Os bons resultados na Volta eram esperados, mas previa-se, então, que fizesse parte da equipa que levaria Alarcón a um tri. O chefe de fila caiu no Grande Prémio Abimota e a ausência da prova abriu-lhe as portas.

Ainda assim, o favoritismo iria para o veterano Veloso, que vestiu a amarela por cinco dias e podia ter-lhe tapado a ascensão, apesar da amizade entre os dois corredores, evidenciada dentro e fora da estrada.

Na Torre, na quarta etapa, brilhou, ao vencer à frente do colega de equipa mais experiente, numa vitória que já bastaria para o inscrever nas páginas de glória da Volta, e o segundo lugar manteve-se até ao fim.

Na nona etapa, na subida à Senhora da Graça, foi segundo e ganhou um segundo ao camisola amarela Jóni Brandão, colocando-se a 41 centésimos da liderança numa Volta disputada como nunca até ao fim.

No contrarrelógio, acabou por se mostrar mais forte que o rival e vencer, após uma prova em que os seus dois lados foram sendo revelados ao público e aos jornalistas, fruto da forma autêntica como reagia aos resultados.

Vindo de Tavira, impôs-se a adversários pela geral dentro e fora da equipa, numa W52-FC Porto apostada em não abrir o jogo sobre o real líder, e bateu Jóni Brandão na edição mais disputada e equilibrada dos últimos anos, como destacou por várias vezes, apontando para as "forças muito igualadas" dos principais nomes, mesmo que alinhasse na onda da equipa em isolar Brandão como o grande candidato.

O João sorridente da Torre, após a "maior vitória da carreira", dava lugar a um João cabisbaixo e com ar de poucos amigos com maus resultados, numa Volta nervosa e com trocas de galhardetes sobre quem seria o real candidato.

Na nona etapa, tanto João como Jóni prometeram correr "à morte" o crono do Porto, e foi nesse esforço de 19,5 quilómetros a fechar a 'maratona' que se revelou como o vencedor da 81.ª edição, agora a pedir 'voos' maiores aos 24 anos.

O algarvio começou por correr nas equipas de Tavira e foi nos dragões que deu o salto qualitativo, explodindo em 2018 e confirmando, em 2019, o potencial de vencedor que lhe vinham apontando ao longo dos anos.

Até final, sempre se mostrou humilde e foi apontando "um dia de cada vez", elogiando Veloso e mostrando a vontade de "chegar à vitória final". "Não queremos dar espetáculo, queremos ganhar a geral", disse, após a Torre.

"Já sonhei bastante com a vitória, mas até isso se realizar era uma diferença grande. Esta e a Senhora da Graça são etapas que se adaptam às minhas caraterísticas. É o culminar de muito trabalho, tenho de agradecer aos meus companheiros", dizia, após a subida da Serra da Estrela, numa citação que bem se pode aplicar à vitória na Volta a Portugal.