Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Bernardo Silva: “Dos sete aos 19 anos, o meu sonho sempre foi jogar no Benfica. E vou voltar, ficou um vazio”

O jogador português deu uma entrevista à rádio BBC, com alguns minutos dedicados ao percurso no Benfica

Tribuna Expresso

Lukas Schulze - UEFA

Partilhar

Bernardo Silva é uma estrela brilhante numa liga que é uma constelação gigantesca. Não surpreende portanto que a BBC queira fazer um resumo da carreira (até agora) do jogador de 25 anos do Manchester City.

Na conversa, Bernardo admite que a rivalidade entre Benfica e Sporting é gigante (tal como entre Benfica e Porto) e que a sua própria família é um espelho dessa situação. A mãe do jogador, tal como a maior parte do lado materno, é sportinguista. Já o pai é do Benfica, e terá acabado por pesar mais nas escolhas clubísticas do jovem Bernardo Silva.

O jogador conta que, quando fez sete anos, o seu presente de aniversário foi a hipótese de treinar na academia do Benfica durante alguns meses, pagos pelos pais. No fim, só teve “de jogar alguns meses” e foi escolhido “para o nível seguinte, que não é pago”. Foi o início de uma relação de 12 anos, onde Bernardo passou “metade da vida” até agora.

Bernardo Silva: “Falhar o Europeu foi duro, pensei que podia lá estar com eles”

A seleção terá no Mundial um extremo que pensa como um médio e que, após um ano com Pep Guardiola no Manchester City, diz estar melhor (e diferente)

Aos 15 anos, teve mesmo a oportunidade de assistir ao último jogo de um dos ídolos no Estádio da Luz. Era apanha-bolas no dia em que Rui Costa se despediu dos relvados benfiquistas.

Bernardo Silva refere ainda que “não foi fácil deixar a Luz”. “Joguei três jogos na equipa principal, 5 a 10 minutos cada jogo. Depois, queriam que eu voltasse para a equipa B, onde tinha jogado um ano, e eu queria seguir em frente. Foi difícil na altura, para mim, sair para o Mónaco, mas eu tinha de ir.” “Mas vou voltar a jogar pelo Benfica, porque ficou um vazio”.

Na pré-época que fez com Jorge Jesus, sentiu que havia pessoas que não contavam com ele. “Naquele tempo, o treinador queria pôr-me a jogar a defesa esquerdo”, revela para espanto do entrevistador. “Falei com o meu empresário, Jorge Mendes, e ele disse que íamos encontrar novas oportunidades para mim.” E assim foi.