Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Até para o ano, Chiquinho

O criativo do Benfica contraiu uma desinserção do tendão médio adutor e vai estar ausente dos relvados pelo menos quatro meses

Tribuna Expresso

Getty

Partilhar

Chiquinho só volta à competição em 2020. O médio tem uma desinserção do tendão médio adutor à esquerda. A lesão foi contraída frente ao FC Porto, no último sábado e exige uma paragem estimada em quatro meses. Os exames a que o jogador se submeteu ontem revelaram uma lesão mais grave do que o esperado.

O atleta contratado ao Moreirense não tem tido sorte no seu regresso à Luz e terá de ter paciência. De acordo com um clínico contactado pelo jornal “Record”, Chiquinho terá de esperar que o tendão se junte aos outros dois, depois de se descolar do osso. O jogador não será sujeito a intervenção cirúrgica mas precisa de ter a zona imobilizada nas primeiras semanas. De acordo com o mesmo clínico, esta é uma lesão delicada e difícil de recuperar para um jogador de alta competição, seria menos grave se Chiquinho tivesse contraído uma rotura.

A lesão surge numa altura em que Chiquinho estava a ganhar protagonismo no plantel do Benfica, mesmo sem ter sido titular em encontros oficiais até se lesionar. Uma estreia a marcar logo no primeiro jogo, carimbando o 5-0 na Supertaça diante do Sporting, mesmo tendo entrado apenas aos 82 minutos, augurava um bom início de época. Depois, logo na primeira ronda do campeonato, foi lançado a meio da segunda parte, ainda a tempo de assistir Seferovic para o 4-0.

Bruno Lage tem tecido rasgados elogios ao polivalente jogador. "É um craque. Faz muitas posições, mas o mais importante são as movimentações que oferece. Deixa-me plenamente satisfeito ter um jogador com a sua qualidade na equipa. Vejam o que fez e como tinha entrado contra Sporting e Paços de Ferreira. É um jogador muito importante", sublinhou Lage, sobre o futebolista resgatado ao Moreirense.