Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Jorge Fonseca, o lutador: “Tive um cancro na perna esquerda. Essa história fez-me crescer”

O judoca lutou contra um cancro antes dos Jogos do Rio, mas não desistiu e é agora campeão mundial

Tribuna Expresso

Kiyoshi Ota/Getty

Partilhar

É o primeiro campeão mundial de judo (100 kg) por Portugal. Na despedida de Tóquio, depois da seleção nacional ter sido eliminada em equipas mistas, Jorge Fonseca falou ao jornal “Record”. O atleta do Sporting revelou o percurso para cumprir um dos sonhos da sua vida, com um obstáculo particularmente difícil pelo meio.

"Vou aproveitar a minha história para dar o exemplo às pessoas que passaram por aquilo que eu passei. Foi um momento muito difícil da minha vida. Tive um cancro na perna esquerda, um ano antes dos Jogos Olímpicos do Rio, mas tive o apoio dos meus familiares, do meu treinador, Pedro Soares, que é como um pai, do meu filho. (…) Essa história fez-me crescer”, revelou Jorge Fonseca.

O judoca fez questão de deixar uma mensagem de esperança: "As pessoas têm de lutar. Consegui superar a doença e ganhei ao cancro, com um ippon muito bem dado, com a melhor técnica possível e logo aí fui um campeão."

Sobre Manuel Passarinho, o médico que detetou o problema e o tratou, Jorge Fonseca diz que "foi a melhor pessoa que apareceu, (…) disse-me tudo o que tinha a dizer, apoiou-me e disse-me que eu ia aos Jogos Olímpicos. Orientou-me, tive apoio no Hospital dos Capuchos, dos médicos, que estavam lá quando eu queria desistir. Ralhava-me quando eu errava, mas estava sempre comigo.”

“No cancro ou em qualquer doença, temos de continuar a lutar pelos nossos objetivos, somos fonte de inspiração, todos devemos lutar para sermos capazes, é o que eu faço, mostrar que sou capaz de chegar ao meu objetivo. Superei o cancro, sou campeão do Mundo e agora, a partir de amanhã, vou trabalhar para ser campeão olímpico. Vou aproveitar o apoio que o povo português me está a dar, mas já passaram 24 horas e agora vou trabalhar para os Jogos Olímpicos e ser um vencedor. Pode ser em Tóquio 2020, pode ser em Paris 2024", referiu com otimismo o campeão mundial de judo.

Não falta gente feliz pela conquista. "Tenho falado com a minha mãe, está muito feliz, ainda não falei com o meu pai, mas a minha família, a minha avó e os meus primos estão todos malucos, à minha espera para aproveitar os momentos", contou Jorge Fonseca. A medalha de ouro vai ficar em casa da mãe "para ela a colocar no teto e lembrar-se” de que o filho é campeão do mundo. “Ela não acredita, ainda pensa que sou aquele miúdo que brincava", desabafa, sorridente.