Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Os lances polémicos do FC Porto-Vitória de Guimarães, vistos pelos especialistas

Não faltou controvérsia na arbitragem do jogo de ontem no Estádio do Dragão. Tentámos perceber as principais opiniões dos especialistas

Tribuna Expresso

Quality Sport Images

Partilhar

O jogo que opôs FC Porto a Vitória de Guimarães terminou 3-0 e é isso que fica registado nos livros. No entanto, por entre os golos, várias decisões polémicas do árbitro Carlos Xistra dividiram opiniões.

Tapsoba foi bem expulso?

Os espetadores ainda não se tinham habituado às cadeiras e já havia matéria para discutir. Ao minuto 1, Marega é derrubado por Tapsoba a caminho da baliza do Vitória. Carlos Xistra marcou penálti. Tanto Marco Ferreira como Jorge Faustino, do jornal “Record”, concordam que “apesar de ter um defesa ao seu lado”, o jogador maliano seguia para a baliza numa clara oportunidade de golo. Portanto, a marcação de livre direto e a expulsão de Tapsoba foram decisões corretas, segundo o “Record”. No entanto, os especialistas do jornal “O Jogo” não só divergem dos colegas como são unânimes em considerar que o lance foi mal julgado, dividindo-se entre não ter sido falta e ter havido infração mas para cartão amarelo.

Penálti sobre Marcano aos 60 minutos?

Contava-se uma hora de jogo quando o guarda-redes do Vitória de Guimarães, Miguel Silva, saiu da baliza para afastar a bola, dando origem a uma queda de Marcano na área. Segundo a maioria dos especialistas, “Miguel Silva salta com a intenção de jogar a bola” e o choque de Marcano é com Luis Díaz, colega de equipa. Apenas Jorge Faustino, do “Record”, considera que o guarda-redes “acertou com o antebraço na face do central do FC Porto”.

Penálti sobre Luis Díaz aos 68 minutos?

Oito minutos depois, mais uma dúvida. João Teixeira, do Vitória de Guimarães, tenta chutar a bola e parece tocar em Luis Díaz, que cai na área. Xistra nada assinala. As opiniões dividem-se. Se Jorge Coroado e José Leirós, de “O Jogo”, defendem a decisão do árbitro, argumentando que foi “uma disputa de bola lícita” e que Díaz caiu sem qualquer toque, já Fortunato Azevedo, do mesmo jornal, e os especialistas do jornal “Record” defendem que devia ter sido marcada uma grande penalidade, embora discordem em relação a quem cometeu a falta. Fortunato Azevedo fala em falta de Sacko, enquanto no “Record” se aponta o dedo a João Teixeira.

Davidson foi bem expulso?

Aos 79 minutos, a não-marcação de um pontapé de canto a favor do Vitória de Guimarães levou Davidson a perder as estribeiras, protestando veementemente. Todos os especialistas concordam que o jogador foi bem expulso, tendo em conta o exagero nos protestos. No entanto, lembram que o jogador vitoriano tinha razão quanto ao pontapé de canto.

O segundo golo do FC Porto é legal?

Aos 89 minutos, Marcano marca o terceiro golo do FC Porto com Soares alegadamente em posição irregular. Nenhum dos especialistas tem dúvidas de que o avançado brasileiro não tem interferência na jogada e portanto o golo do central do FC Porto é válido.

Arbitragem pouco conseguida

Apesar de Fortunato Azevedo, de “O Jogo”, considerar que Carlos Xistra fez uma “arbitragem regular”, a verdade é que todos apontam falhas ao juiz beirão, chegando Jorge Coroado a chamar-lhe “árbitro excedentário”. Os especialistas do “Record” reconhecem, no entanto, que foi um “jogo exigente”.