Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Os legumes refogados e a eletroestimulação devolveram o golo a Gabriel - e assim renasceu o Gabigol

Para fazer jus ao nome de goleador, o atleta adotou uma dieta restrita e uma nova rotina

Tribuna Expresso

Ueslei Marcelino

Partilhar

1-0 para o Mengão, os mesmos 10 pontos de avanço no Brasileirão

Mais uma vitória do Flamengo de Jorge Jesus

Gabriel Barbosa é conhecido como Gabigol. Nos tempos que correm, é desnecessário explicar a origem da alcunha. Nem sempre foi assim (lembre-se a época no Benfica). Atualmente, o jogador de 23 anos está perto de alcançar um feito que poucos conseguiram. Apenas Dadá Maravilha, em 1971 e 1972, e Túlio, em 1994 e 1995, foram artilheiros do campeonato brasileiro em dois anos consecutivos.

Em 2018, o então jogador do Santos foi o melhor marcador com 18 gols. Este ano, já marcou 19 vezes em 27 partidas pelo Flamengo, tendo ficado em branco ontem à noite, na vitória por 1-0 contra o Clube Sportivo Alagoano.

Segundo a “Folha de S. Paulo”, ao chegar ao clube carioca, Gabigol prometeu a si mesmo que mudaria vários hábitos para evoluir, especialmente os alimentares. Em janeiro, procurou um nutricionista que segue vários atletas de elite e o selecionador brasileiro Tite. Segundo o médico, o atacante ficou inicialmente amedrontado com a rigidez da dieta que, entre outras coisas, apenas permite a ingestão de sumo se este for de limão.

Assim que se mudou para o Rio de Janeiro, Gabigol deu início à reeducação alimentar quando ainda morava num hotel. Quando se mudou para a sua casa contratou uma cozinheira para seguir o cardápio recomendado.

De manhã, no máximo dois ovos e mamão com aveia. Ao almoço e jantar, proteínas (frango ou peixe), legumes refogados e salada com azeite, limão e sal. Arroz, somente integral. “Ele precisou de abrir mão de doces em geral. Adorava bolos”, afirma o Dr. Rauen, o nutricionista.

Desde então, o atleta de 77 kg não perdeu peso, mas mudou a sua composição corporal. A percentagem de gordura baixou de 13,9% para 9%. “Ele foi extremamente regrado. Num dia de folga, mandou uma foto, na praia, a comer frango e salada”, conta o médico.

Após os jogos, Gabigol é acompanhado em sua casa pelo fisiologista Alex Evangelista. No local, o atleta concentra aparelhos de drenagem linfática, eletromiografia (que estimula os músculos), colete de eletroestimulação muscular (que exercita 300 músculos ao mesmo tempo), entre outras tecnologias de recuperação física.

Evangelista foi contratado por Gabigol há dois meses. Tanto ele como Rauen são pagos pelo próprio atleta, não pelo clube. “Há dias em que ele volta do jogo com muito sono e, enquanto dorme, realizamos o processo de eletroestimulação para prevenir ou amenizar dores do corpo”, diz.

Antes, o jogador “tinha fama de ser quezilento, mas entendeu que não precisa de reclamar o jogo todo, dar socos no ar,” diz Júnior Pedroso, o seu empresário. “Ele tornou-se profissional muito cedo, com 16 anos. Por mais que tenha apoio dos pais, errou até aprender.”

A carreira e Gabriel foi arquitetada pelo pai, Valdemir Silva Almeida. Nascido a 30 de agosto de 1996, em São Bernardo do Campo, Gabigol começou no Santos aos 11 anos. Afirmou-se entre os profissionais em 2014, quando foi o melhor marcador do Santos, com 21 golos.

Comprado pelo Inter de Milão em 2016, o atacante fez apenas dez jogos e marcou um golo. Emprestado ao Benfica, participou em cinco partidas e voltou a marcar apenas um golo.

O jogador está emprestado ao Flamengo até o fim deste ano. Nessa altura, o Flamengo terá que abrir os bolsos se quiser continuar a celebrar os golos de Gabigol.