Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Acuña não está satisfeito com o Sporting

O golo frente ao FC Porto foi celebrado com raiva e há quem diga que o jogador está chateado com a direção do clube

Tribuna Expresso

SOPA Images

Partilhar

O grito de golo de Marcos Acuña, aos 44 minutos, no clássico com o FC Porto, foi de alegria e de raiva, visíveis no rosto do jogador. Foi o 1-1, o empate que se revelaria insuficiente para evitar a derrota. Neste momento, segundo “A Bola”, o lateral e extremo esquerdo de 28 anos está muito insatisfeito com a administração liderada por Frederico Varandas. Seja porque viu os leões recusarem todas as propostas que chegaram para a aquisição do seu passe, ou porque ainda não viu cumprida a promessa de revisão contratual, feita há um ano.

A estrutura que dirige o futebol, com Frederico Varandas e Hugo Viana à cabeça, tem desiludido Acuña, adianta o jornal. A situação não é nova mas tem-se agravado com as recusas, ao longo das últimas semanas, de propostas para a venda do passe do internacional argentino para ligas e clubes bastante tentadores. Uma delas foi tornada pública: Inter de Milão, para a cedência até final da temporada, com 1 milhão de euros de taxa de empréstimo, e opção de compra de €10 milhões.

Também o Nápoles terá feito uma abordagem para contratar Marcos Acuña nesta janela de transferências, mas o clube do sul de Itália não foi tão longe como o de Milão e viu-se ultrapassado nesta corrida.

Há, no entanto, outra situação a desgastar Acuña: uma promessa por cumprir. No mercado de inverno do ano passado, o Zenit apresentou uma proposta formal pelo jogador, de €16 milhões fixos, mais €4 milhões por objetivos. O ordenado que Acuña passaria a auferir na Rússia seria consideravelmente superior ao que aufere em Alvalade mas a transferência não se consumou, porque a administração verde e branca queria €20 milhões fixos e no imediato, algo a que o clube de São Petersburgo não acedeu.

Para compensar o camisola 9, a SAD sportinguista prometeu uma revisão do contrato em alta, o que implicaria um ordenado mais elevado. Nesta altura, o argentino ganha cerca de €1,25 milhões limpos e passaria a ganhar mais €250 mil, para chegar aos €1,5 milhões limpos. Todavia, passou um ano e a intenção continua a ser apenas isso.