Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Toby Price: o motociclista que encontrou Paulo Gonçalves está em choque e não quer saber de resultados

O atual campeão do Dakar em motos foi o primeiro a chegar junto do português. O autraliano contou como foi feito o pedido de ajuda, a vinda dos helicópteros e os quilómetros em lágrimas

Tribuna Expresso

FRANCK FIFE

Partilhar

Toby Price é o atual campeão do Dakar nas motos. Foi o primeiro a chegar junto de Paulo Gonçalves após o acidente que viria a ser fatal para o português. O australiano publicou, esta segunda-feira, um texto nas redes sociais contando como tentou ajudar o português, que acabou por falecer no deserto, durante a 7.ª etapa. Foi o piloto da KTM quem deu o alerta, recebeu as equipas médicas e ajudou a colocar o corpo de Paulo Gonçalves dentro do helicóptero. "Tinha sido o primeiro a chegar até junto dele e queria ser o último a sair", escreveu Price, desolado, num dia em que motos e quads não foram para a estrada, em homenagem a 'Speedy Gonçalves'.

Eis o post completo:

"A etapa de ontem começou bem, a bom ritmo, estava a sentir-me bem na moto. O Paulo saiu para a etapa uns cinco minutos antes de mim e o pior aconteceu. Cheguei a uma pequena duna e vi um piloto caído, era o Paulo.

Pensei logo no pior, sabia que era sério. Pedi ajuda o mais rápido possível e coloquei-o de lado (nessa altura pareceu-me ainda mais sério). Voltei a pedir ajuda, nesta fase o Ctefan Svitko chegou e tentou ajudar-me como pôde.

O primeiro helicóptero chegou, o Luc Alphand estava também a tentar ajudar e quando o helicóptero médico aterrou, eles já estavam a tentar reanimá-lo. Os médicos colocaram-se ao nosso lado e fizeram o que puderam.

Ajudámos a descarregar o equipamento médico, a guiar os restantes pilotos para longe daquele cenário terrível. Todos demos o nosso máximo, mas já não havia nada a fazer.

Ajudei a levá-lo para o helicóptero, era o que devia fazer. Tinha sido o primeiro a chegar junto dele e queria ser o último a sair.

Vamos sentir falta do teu sorriso e das tuas gargalhadas no bivouac, Speedy.

Os meus últimos 250 km da etapa foram duros, estou desidratado de tanto chorar.

Neste momento não estou interessado no resultado, não quero saber.

Os nossos pensamentos estão com a família e os amigos, hoje não vamos disputar a etapa 8, pela mota número 8, em respeito pela família, pelos amigos e pela perda do nosso herói.

Obrigado a todos pelas mensagens de apoio que nos chegaram de todo o mundo, especialmente de Portugal. Nós somos humanos e isto não é apenas uma corrida. Abdicaria de todas as minhas vitórias para ter alguns dos meus amigos da corrida de volta..."