Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

O dia em que Gonçalo Guedes apanhou um táxi e o Benfica pagou

O jogador recordou o dia em que foi apanhado de surpresa ao saber que tinha sido convocado para um encontro no Mónaco

Tribuna Expresso

FRANCISCO LEONG/GETTY IMAGES

Partilhar

O jogo foi em 2014 e contava para a Liga dos Campeões. O Benfica ia jogar ao Mónaco e Gonçalo Guedes, como sempre, ficaria a torcer do sofá. Mas Rui Vitória entendeu que era altura de o convocar e Gonçalo, sem carta, apanhou um táxi. O jogador confessou, entre gargalhadas, que pediu fatura para que o clube pagasse.

"Completara 18 anos há dois meses e não tinha carta. Ligaram-me a dizer ‘vamos para o Mónaco, tens de vir treinar’. Liguei aos meus pais e aos pais de uma pessoa importante, a Madalena, em casa de quem estava a dormir, mas ninguém me podia levar. Tive de pegar num mealheiro que tinha com ela, tirei 50 ou 60 euros e apanhei um táxi. Na altura, nem tinha dinheiro para o táxi e pedi fatura para depois o clube me pagar. E a verdade é que me pagaram", revelou o avançado, ao BenficaPlay.

[Subscreva a 12:45, a newsletter da Tribuna, AQUI para saber o que se passou, o que se passa e o que se vai passar no desporto, no tom certo, à hora certa]

O avançado recordou a passagem pelo Benfica, uma das coisas "mais marcantes" da vida. "De facto, deu-me tudo! Deu-me a vida e a educação que tenho hoje. Vou guardar para todo o sempre. E, um dia, quem sabe se não volto a casa...", frisou.

O internacional português refletiu sobre a mística do clube da Luz. "Ser Benfica é algo muito importante. Toda a mística, tudo o que incutem, não dá para explicar. Às vezes levas duas ou três pancadas e ficas de rastos, mas consegues suportar porque estás num clube como o Benfica", referiu o jogador do Valência, que deixou as Águias em janeiro de 2017.