Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

O regresso de Neymar: o golo, as queixinhas em relação ao clube e o cartão vermelho que não recebeu

O brasileiro regressou de paragem, culpou o PSG pela falta de ritmo e escapou à expulsão por uma cotovelada em Witsel

Tribuna Expresso

O incorrigível Neymar

Soccrates Images

Partilhar

Na derrota do Paris Saint-Germain frente ao Borussia Dortmund por 2-1, na Alemanha, Neymar acabou por ter sorte. De acordo com o jornal inglês “Daily Mail”, aos 58 minutos, o ex-benfiquista Witsel caiu no relvado quando tentava proteger a bola do brasileiro. Quando o belga tombou, Neymar caiu por cima dele, dando uma cotovelada no rosto do jogador do Borussia.

Apesar de Witsel ter rebolado no chão com dores e o companheiro de equipa Emre Can ter corrido para o quarto árbitro em protesto, a verdade é o que árbitro espanhol Antonio Miguel Mateu Lahoz não foi na cantiga e limitou-se a mostrar ao brasileiro um cartão amarelo.

Neymar regressou à competição no desta terça-feira para a Liga dos Campeões. Apesar de o internacional brasileiro ter sido o autor do único golo dos parisienses, apontou o dedo ao clube, culpando-o pela falta de ritmo.

"É muito difícil estar quatro partidas sem jogar, mas infelizmente não foi uma decisão minha. A decisão foi totalmente do clube e dos médicos. Eles tomaram essa decisão e eu não gostei", afirmou o jogador à RMC Sports.

"Tivemos discussões suficientes sobre estas decisões, porque eu sempre quis jogar. Senti-me bem, mas o clube estava com medo. No final, fui eu quem sofreu mais. Entendo o sofrimento parcial do clube, porque não pôde contar comigo nos oitavos de final da Champions dois anos. Respeito as decisões do clube, mas não pode ser assim, porque o jogador sofre", disse Neymar, acrescentando: "É difícil jogar 90 minutos sem parar."