Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Nuno Espírito Santo revoltado com a realização de jogos neste momento: “Estarmos a jogar e haver pessoas a morrer é absurdo”

O treinador do Wolverhampton falou antes do jogo de ontem a contar para a Liga Europa. Já hoje, sexta-feira, a liga inglesa reuniu e decidiu suspender a Premier League

Tribuna Expresso

Chris Brunskill/Fantasista

Partilhar

O Wolverhampton empatou ontem 1-1 na visita ao Olympiacos, num jogo com as bancadas vazias. Antes do jogo, Nuno Espírito Santo já tinha emitido a sua opinião: "Estarmos a jogar futebol e existirem pessoas a morrer é absurdo! Jogar sem público não faz qualquer sentido. O futebol serve para entreter e nós jogamos pelos adeptos".

No jogo, foi a formação grega, orientada por Pedro Martins, a entrar melhor. O Olympiacos dispôs das melhores oportunidades, mas Rúben Semedo foi expulso por travar Diogo Jota isolado e os ingleses mais portugueses da Premier League aproveitaram para impor a superioridade, embora sem conseguir marcar. A primeira parte terminou com dois remates à baliza.

Na segunda parte, acabou por ser o Olympiacos a abrir o marcador, por El Arabi. Foi no entanto um português a igualar a partida. Pedro Neto, que tinha entrado ao intervalo, marcou na sequência de um livre, aos 67 minutos.

No final da partida, Diogo Jota admitiu que a expulsão de Semedo foi "o momento-chave do jogo", enquanto o guarda-redes dos gregos, José Sá, recordou a eliminação do Arsenal. "Provámos que nos podemos qualificar, mesmo perdendo o primeiro jogo em casa."