Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Pedrinho: “Messi é um jogador incrível, tento agarrar um pouco do que ele faz no futebol”

Assinou pelo Benfica e logo a seguir a bola parou de rolar. Ainda teve de fazer o teste à Covid-19 mas deu negativo. O reforço dos encarnados deu uma entrevista ao jornal "Record"

Tribuna Expresso

Alexandre Schneider

Partilhar

Foi o último reforço do Benfica antes de o mundo fechar a porta com o sinal “não incomodar” na porta. O jornal “Record” conversou com ele e nós registámos os momentos mais interessantes.

A infância em Maceió

“Sempre com os meus pais e com o resto da minha família. Comecei a jogar com seis anos e aos 13 fui embora para jogar noutros clubes. Tornei-me uma pessoa muito feliz por tudo o que fiz até essa altura. E agora sinto-me realizado por ter conseguido chegar até aqui no futebol.

Sempre quis ser futebolista

“Desde pequeno. Até para realizar o sonho dos meus pais, que também sempre quiseram que eu fosse jogador. Eles lutaram pelo meu sonho e eu também.”

Mas começou no futsal, num colégio

“Fui chamado para uma bolsa no Santíssima, um colégio ao qual estou muito grato. Foi ali que tudo arrancou, porque vi que tinha um dom grande também para o futsal. Evoluí muito, porque o futsal dá-nos muitas coisas que o futebol de onze não tem. No futsal há mais liberdade, mais dribles curtos, e até hoje faço isso em campo.”

A mudança para o futebol

“Na verdade, nunca deixei o futebol de onze. Alternava. De manhã estava no campo; à tarde jogava futsal. Foi uma readaptação muito rápida, porque nunca perdi o hábito de jogar.”

Um ídolo argentino

“O Messi, por ser canhoto, pela qualidade imensa. Vejo sempre os jogos dele. É um jogador incrível, extraordinário, e tento agarrar um pouco do que ele faz no futebol.”

A posição mais confortável

“Nestes últimos anos venho jogando bastante como extremo-direito, mas também alterno para jogar como médio-ofensivo. Aprendi a jogar nas duas posições. Mas sempre joguei mais como médio-ofensivo.”

O momento difícil

“O que venho fazendo é estar com a minha família, treinar todos os dias, jogo Teqbal. O mais importante é ficar em casa; e esperemos que tudo isto passe rapidamente.

Fez o teste, que deu negativo

“Sabia que o teste era só por precaução, porque não tinha qualquer sintoma, mas claro que ficamos sempre assustados.”

O plano de treinos

“Na verdade, foram dois planos: um feito pelo Benfica, outro pelo Corinthians. E face às circunstâncias, o que tento fazer é ir alternando, dentro do trabalho que sei que tenho de cumprir.”

O contacto no novo clube

“Até agora falei mais com o Vinícius, que entretanto fez anos e desejei-lhe os parabéns e falámos um pouco. E entretanto já sigo alguns companheiros no Instagram. Sobre o clube em si, acompanho bastante e já vou estando a par.”

O que viu do Benfica

“Aquilo que vi, e que me deixou logo bastante feliz, foi a estrutura. Acabou por superar as minhas expetativas porque, na verdade, já sabia que era uma grande equipa. Mas depois de ver aquela gente toda, os profissionais, aquele centro de treinos, acabou por ser ainda melhor do que imaginava.”

A escolha do Benfica

“Soube de várias propostas que chegaram, mas logo de antemão sempre disse ao meu empresário para optarmos por aquilo que fosse melhor para nós a todos os níveis. E o Benfica é um clube gigante, não só dentro do campo, como fora também. Tem um centro de treinos espetacular… Foi uma decisão fácil, porque tinha a certeza de que o Benfica seria o clube com o qual me iria identificar mais.”

A opinião sobre o futebol português

“Na verdade, acompanhava pouco, mas por falar com alguns amigos que tenho aí, casos do Tocantins, do Tabata ou do Wendel, sempre ia sabendo alguma coisa. Mas sei que é um campeonato bem disputado e sei que o Benfica luta sempre para ganhar.”

Referências no plantel do Benfica

“O Jardel explicou-me que é um grupo muito trabalhador, de jogadores humildes. Não há vaidades. É um grupo fechado e fico muito feliz por poder fazer parte.

Bruno Lage

“Tive uma oportunidade de falar um pouco com o treinador quando estive no Seixal. Mas desde que voltei aqui para o Brasil não voltei a falar com ele.”

O Brasil e os Jogos Olímpicos

Conquistámos uma vaga numa prova importante, onde todos os jovens sonham jogar, mas ainda que tenha sido adiado, vou trabalhar cada vez mais e crescer no Benfica para que no ano que vem possa estar presente."