Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Futre não jogou no Barcelona porque o treinador não o quis

FC Porto chegou a assinar acordo com os catalães em 1987 mas o inglês Terry Venables rejeitou a contratação do melhor jogador português de então

Tribuna Expresso

David Cannon

Partilhar

Em 1987, houve acordo entre o FC Porto e o Barcelona para a ida de Paulo Futre para a Catalunha. “A Bola” recorda que o acordo foi assinado num guardanapo, não se sabe de quem, mas o certo é que o documento nada significou, uma vez que Futre acabou por ser contratado pelo Atlético de Madrid.

“Estive tão perto de assinar pelo Barcelona. Tal e qual. Antes do famoso contrato de Messi num guardanapo havia o meu! Só descobri isso anos mais tarde num exclusivo do ‘Mundo Deportivo’”, esclareceu o português, numa sessão de perguntas feitas pelos leitores do mesmo jornal espanhol.

“No final da Taça dos Campeões que venci pelo FC Porto ao Bayern, os dirigentes do clube português e blaugrana chegaram a um acordo numa cervejaria vienense. (…) Naquela época, eu era o jogador mais cobiçado da Europa e Núñez não queria que a transferência lhe escapasse. (…) Eles nunca me disseram, apenas sabia que as coisas estavam muito avançadas com o Barcelona. Eu, simplesmente, não enverguei a camisola culé porque o treinador Terry Venables [inglês que orientou o Barça de 1984 a 1987] rejeitou a minha contratação. O mesmo Venables que recusou contratar a custo zero um tal Van Basten que estava livre do Ajax,” recorda Paulo Futre.

Sem se dar por vencido, o clube catalão ainda voltou à carga pelo melhor jogador português de então: “Anos mais tarde, Cruyff fez pelo menos três tentativas para me contratar, fui a primeira opção dele antes de Stoichkov”.

“Posso imaginar-me a receber os passes longos do Koeman no Dream Team, mas prefiro sonhar com Cruyff a treinar o meu Atlético de Madrid, comigo, Schuster, o pichichi Manolo e os restantes meus companheiros rojiblancos,” afirma o antigo internacional português, agora com 54 anos. “O que não estou a imaginar é que o grande Cruyff e o meu querido presidente Jésus Gil pudessem aguentar-se por muito tempo,” brincou Futre.