Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Katsouranis: “Se pudesse voltar atrás ficava no Benfica” mas “problemas pessoais” encurtaram a carreira na Luz

No Benfica, conviveu com Karagounis, outro grego, mas fez amigos com muitos colegas de outras nacionalidades. Katsouranis, antigo médio das Águias, lembra com saudade a passagem pela Luz e mostra algum arrependimento de ter saído antes de terminar o contrato

Tribuna Expresso

MIGUEL RIOPA

Partilhar

Kostas Katsouranis passou três anos no Benfica. Podiam ter sido mais mas, ainda assim, o grego não esquece esse tempo. Ainda hoje o antigo médio mantém contacto com vários jogadores com quem partilhou o balneário da Luz.

"Falo muitas vezes com o Nuno Gomes, com o Samaris, como é normal. E falo também com jogadores que foram das minhas equipas do Benfica, mas já lá não estão, como o David Luiz. O João Coimbra, um jovem jogador que também esteve no Benfica, o Paulo Jorge que esteve comigo no meu primeiro ano. Falo com o Ricardo Rocha e até com o Rui Costa. Até com o Luisão, que é um grande amigo meu. Sei que já discutimos, mas o futebol é assim. Ele é uma excelente pessoa e é muito importante para mim. Ajudou-me muito", admitiu o grego.

Na conversa com a “Benfica Play”, “Katsou” revelou que havia momentos de pura diversão. "O Miccoli era dos mais engraçados, mas o David Luiz ainda era mais. Ele era uma criança quando cheguei ao Benfica e todos os dias eram uma brincadeira. Era muito bom rapaz, muito original", recordou Katsouranis, não escondendo algum arrependimento por ter saído do Benfica a um ano do fim do contrato.

"Os momentos no Benfica foram maravilhosos. Cada treino, cada vez que representava o clube, nem que fosse nas sessões de autógrafos eram bons. Talvez sair do Benfica tenha sido uma má decisão. Na altura, tive alguns problemas pessoais. O meu filho estava constantemente doente. Agora ele está bem, tem 13 anos e é mais alto do que eu. Agora, se pudesse voltar atrás ficava no Benfica".

Sobre o compatriota Samaris, Katsouranis acabou por fazer uma revelação: "É como se fosse o meu irmão mais novo. Já ganhou vários títulos e é um excelente rapaz. Aprendeu português muito rápido. Ele tem o Benfica no coração e os adeptos adoram-no. É muito importante para um jogador grego representar durante tantos anos um clube como o Benfica. Ele quer acabar a carreira no Benfica", confidenciou.

Em relação a Vlachodimos, o outro grego do Benfica, foi também elogiado por Katsouranis. "É uma excelente pessoa e um grande guarda-redes. Todos os anos fica cada vez melhor e isso é muito importante para um jogador de futebol. Sei que ele sentiu o mesmo que eu senti no primeiro jogo pelo Benfica. É algo fantastico, mágico posso dizer", explicou, analisando ainda a aposta do Benfica em jogadores gregos, ao longo dos anos. "Está o Vlachodimos e o Samaris, esteve o Mitroglou antes. Acho que todos os que passaram pelo Benfica, como Fyssas, Karagounis, todos ficaram com o coração no Benfica".