Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Pelo menos cinco surfistas morreram na Holanda, depois de uma aventura em dia de tempestade

As vítimas faziam parte de um grupo experiente que se fez ao mar perto de Haia. A espuma densa prejudicou as buscas

Tribuna Expresso

SOPA Images

Partilhar

As autoridades dos Países Baixos relatam que pelo menos cinco surfistas experientes morreram afogados depois de arriscarem entrar no mar num dia de tempestade perto de Haia, na costa holandesa.

O grupo de homens, com idades entre os 22 e os 38 anos, faziam parte de um conjunto mais alargado, de 10 surfistas e nadadores que se fizeram à água em Scheveningen, na tarde de segunda-feira. O tempo estava mau, o que gerou uma camada densa de espuma que prejudicou as tentativas de salvamento.

Três dos corpos foram encontrados apenas da manhã de terça-feira e as autoridades têm dúvidas se mais algum será descoberto, depois de a guarda costeira ter encontrado mais pranchas do que vítimas. O quinto corpo foi avistado mas não tinha sido ainda recuperado ontem, terça-feira, à tarde.

Ontem foi também organizada uma homenagem às vítimas, numa escola de surf local. Supostamente, entre os desaparecidos, estarão instrutores de surf e nadadores-salvadores. “Isto é incompreensível. São rapazes que sabem o que estão a fazer,” disse um dos presentes ao jornal “De Telegraaf”.

A Associação de Surfistas da Holanda agradeceu a quem tentou salvar os companheiros e confirmou o choque da comunidade de surfistas daquele país. “Estamos de luto por esta perda,” disseram os responsáveis pela organização.

Um representante dos nadadores-salvadores afirmou que “o vento forte, do Norte e a corrente, também forte, dificultaram as buscas”. Ao lado, na Bélgica, as bandeiras dos clubes de surf foram colocadas a meia haste.

Pat Smith, do município de Haia, disse a uma rádio local conhecer muito bem duas das vítimas: “Como eu, eram nadadores-salvadores treinados internacionalmente. Trabalharam na Austrália e receberam treino intenso de uma associação internacional de desportos aquáticos”.

O presidente da câmara de Haia, Johan Remkes, prometeu uma investigação extensiva à causa das mortes.