Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Revista de Imprensa

“Sim, quero lutar contra o Mike”: 23 anos depois, Holyfield e Tyson podem estar de volta ao mesmo ringue, num combate solidário

A outra orelha de Evander Holyfield que se cuide. Os dois veteranos do boxe andam em negociações para se defrontarem novamente

Tribuna Expresso

Michael Tullberg

Partilhar

Pesos pesados da história do boxe, Evander Holyfield e Mike Tyson podem estar prestes a ir buscar as luvas à despensa e a defrontar-se novamente, 23 anos depois da noite dramática de Las Vegas, em que Holyfield saiu mais leve e Tyson deixou o ringue com um gosto estranho na boca.

Na altura, no terceiro assalto, Tyson surpreendeu Holyfield ao arrancar parte da orelha do adversário com os dentes, o que levou à desqualificação e a uma multa de mais de 2 milhões de euros.

Apesar de ter pendurado as luvas há 15 anos, Tyson está de volta ao ginásio. Aos 53 anos, o americano tem demonstrado um ritmo e uma força assustadores. Ao que parece, isso tem inspirado Holyfield, de 57 anos, que também tem treinado em preparação para um regresso frente ao velho “inimigo” num encontro solidário.

Quando questionado pelo jornal inglês “The Sun” se iria defrontar Tyson pela terceira vez, Holyfield não teve dúvidas: “Quero fazê-lo! Sim, quero lutar contra Mike Tyson. (…) Definitivamente consigo dar conta dele”.

No entanto, para que tal aconteça, Holyfield sabe que a vontade do adversário também conta. “Temos de fazer algo que não seja um combate feio, de ‘knockout,” diz. “Não tem a ver com quem consegue bater quem, mas com mostrar às pessoas que somos dois dos maiores lutadores da nossa era e que nos juntámos como homens para fazer algo pelos outros.”

A ferida parece estar sarada entre os dois quando Holyfield admite: “Não tenho nada contra o Mike pessoalmente. O que acontece é que seria bom para o desporto e apesar de o boxe ser uma modalidade dura, podemos mostrar às pessoas que estamos juntos”.

Segundo o jornal inglês, o “Iron Mike”, como é conhecido, tem recebido várias propostas para um regresso aos ringues, incluindo da antiga estrela de râguebi Sonny Bill Williams e do pai de Tyson Fury, John, mas ele apenas considera ofertas mais sérias.

Uma fonte citada pelo “The Sun” disse: “O Mike pôs de parte a perspetiva de um combate de exibição na Austrália porque ele não quer lutar contra atletas de outras modalidades. Se o Mike voltar ao boxe, vai ser frente a um adversário da mesma categoria. O Mike considera que qualquer outra coisa seria um insulto à modalidade”.