Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Premier League terá de mostrar jogos em sinal aberto e cumprir outras exigências se quiser voltar, diz o Governo britânico

Os protagonistas do futebol inglês têm-se encontrado em reuniões entre si e com as autoridades nacionais para preparar o regresso. Há exigências da parte do Governo e insegurança da parte dos jogadores

Tribuna Expresso

Visionhaus/Getty

Partilhar

O Governo britânico avisou a Premier League de que terá de passar jogos nos canais em sinal aberto e pôr mais dinheiro na liga de futebol como condição para poder recomeçar a competição. As exigências foram feitas pelo ministro da Cultura, Oliver Dowden, numa reunião na quinta-feira, em que o governante deu o seu aval ao reatamento dos jogos desde que as condições sejam cumpridas.

“O Governo está a abrir a porta para que o futebol competitivo regresse em segurança, em junho. Isso deve incluir um alargamento do acesso dos fãs aos jogos em direto para assegurar que as finanças do regresso da modalidade apoiam toda a família futebolística.”

A Premier League está em negociações com os operadores televisivos Sky e BT sobre encontrar uma forma de mostrar alguns jogos em sinal aberto se a época continuar. A solução preferida pelo Governo é que os 45 jogos que faltam e que ainda não estejam comprometidos por acordos existentes sejam transmitidos em canais de acesso gratuito ou através de uma plataforma de streaming como o YouTube.

Da parte das operadoras, tem havido algumas queixas relativamente à perda de subscritores devido ao constante adiamento da época. Há pedidos para baixar o preço dos jogos, baseados no argumento de que a Premier League não tem conseguido “entregar o produto” a tempo e horas.

O Governo britânico pede que seja o futebol a encontrar uma solução, o que poderá não ser fácil. Os próprios clubes precisam urgentemente do dinheiro proveniente dos direitos de transmissão dos jogos para preencher o enorme buraco provocado pelos meses sem competição.

Quanto à preparação do regresso, houve uma série de reuniões na quarta-feira passada, entre jogadores, treinadores e dirigentes. Alguns jogadores terão deixado a reunião a sentir-se inseguros quanto ao recomeço da competição. Os atletas sentem que várias preocupações relacionadas com a sua segurança não foram ainda resolvidas. Os treinadores, por seu turno, dizem que precisam de mais do que as três semanas de preparação combinadas com a Premier League.

José Mourinho disse: “Eu quero treinar e estou desesperado para que a Premier League regresso logo que seja seguro, particularmente agora que vemos as outras ligas a prepararem-se para o regresso à ação”.

O responsável médico pelo regresso da Premier League sugeriu, na quarta-feira, que quaisquer avanços não devem ser feitos de imediato, mencionando o distanciamento entre jogadores como matéria delicada. “A primeira coisa é regressar aos treinos em segurança, mantendo as distâncias. (…) Temos de ver como corre antes de avançarmos (…) para a competição. Penso que temos de ir lenta e comedidamente.”