Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

FC Porto pode precisar de ajuda da UEFA para estar nas competições europeias da próxima época

O jornal “i” faz notícia das dificuldades dos Dragões em cumprir o fair play financeiro. A não ser que haja uma “amnistia” da UEFA, os portistas podem ficar de fora das taças continentais na próxima época

Tribuna Expresso

JOSÉ COELHO

Partilhar

De acordo com o jornal “i”, o FC Porto está dependente de uma “amnistia” da UEFA por causa da covid-19 para poder integrar as competições europeias em 2020/21. Tudo por causa do incumprimento de regras do fair play financeiro.

De acordo com as regras da UEFA, os Dragões estão obrigados a pagar 100 milhões de euros após o reinício das competições para poderem estar na Liga dos Campeões ou na Liga Europa na próxima temporada. Pinto da Costa terá a missão urgente de vender jogadores, num momento em que o mercado de transferências vai sofrer várias alterações devido à pandemia.

A crise pandémica já tinha obrigado o FC Porto a propor um corte de 40% nos salários dos jogadores, embora com devolução garantida (20% quando o campeonato recomeçar, enquanto os restantes 20% seriam restituídos quando for permitida a realização de jogos com público nas bancadas).

A situação financeira crítica do FC Porto não é novidade e já tinha levado a que a SAD informasse, em abril, que iria pedir em assembleia geral de obrigacionistas o adiamento por um ano do pagamento das obrigações no valor de 35 milhões de euros, cuja maturidade pretende que passe para 9 de junho de 2021 (a que se junta outro pagamento de 35 milhões, no total de 70 milhões de euros).

Segundo o “i”, durante a semana passada, num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o clube das Antas fez uma segunda convocatória para a assembleia-geral de obrigacionistas da SAD. A reunião seria esta terça-feira, 19 de maio, mas foi adiada para o próximo dia 5 de junho.

Num momento em que mais um mandato de Pinto da Costa se aproxima do fim, o clube azul e branco precisa de encaixar com urgência cerca de 200 milhões de euros.