Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

João Félix: “De início foi estranho, eram outros números, sair do país. Desviei-me um pouco mas voltei ao sítio”

O internacional português aproveitou a paragem no futebol para falar à BTV, recordando os momentos de glória da época passada e prevendo o futuro do irmão, que continua no Benfica

Tribuna Expresso

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Partilhar

João Félix regressou por momentos à casa onde se formou e de onde saiu para o Atlético Madrid. O jovem avançado deu uma entrevista à BTV, em falou das conquistas de águia ao peito, dos colegas ex-FC Porto e do irmão, Hugo Félix.

O festejo com o irmão, após o golo ao Vitória de Setúbal

"Foi o primeiro jogo dele como apanha-bolas. Calhou ele ficar nessa baliza e eu também marcar nessa baliza. Nada foi combinado. (…) Depois desse, ainda houve mais um golo e fui lá festejar com ele."

O futuro de Hugo Félix

"Se tudo correr bem, se continuar a trabalhar e focado como tem feito, se continuar a ouvir as pessoas que o querem ajudar, certamente terá sucesso, porque como já disse, com a idade dele nem tinha o 'caparro' que ele tem nem fazia coisas como ele faz. Com as pessoas que tem à volta no Benfica, a minha mãe, o meu pai e eu, tem tudo para correr bem e chegar à equipa principal."

Semelhanças entre estilos de jogo

"Ambos gostamos de fazer golo, procuramos muito o golo. Ele bate melhores livres do que eu, eu bato melhor penáltis, mas jogamos os dois mais ou menos nas mesmas posições. No futebol, é preciso jogar simples, mas gostamos de fazer algo diferente, algo que anime o público e temos algumas parecenças.”

A mesma pessoa com algumas mudanças

"Sou a mesma pessoa. Mudaram algumas coisas. De início foi estranho, eram outros números, outras vivências, sair do país... (…) Se calhar, desviei-me um pouco mas voltei ao sítio. E toda a gente que me conhecia quando estava no Benfica sabe que sou o mesmo. Faço as mesmas coisas, as mesmas brincadeiras, jogo o futebol que jogava antes.”

A pressão da imprensa e das redes sociais

"No Benfica, o segundo jogo de pré-época não me correu bem e era miúdo, tinha Twitter, Instagram e gostava de ir ver o que falavam. Normalmente, falavam sempre bem. (…) A partir desse dia, disse 'jornais nunca mais'. (…) Tento desfrutar ao máximo. De início foi difícil, campeonato e ritmos diferentes. A pré-época correu bem, depois custou um pouco, mas agora estou no bom caminho e só quero melhorar."

As picardias com Felipe e Herrera

"São dois contra um, mas eu aguento bem com eles. Podem atacar-me esta época, o FC Porto está em primeiro, mas eu ataco-os com a época passada, quando ganhamos lá 2-1 e eles calam-se logo e metem a viola no saco."

Benfica campeão

"Acredito a 100 por cento que o Benfica consiga ganhar o campeonato. Tem equipa para isso, tem treinador para isso. Tem feito um bom campeonato. Tiveram aquele deslize, mas tinham feito campeonato excelente até aí. O ano passado também estávamos a 7 pontos e acabámos com mais 2. Agora estamos atrás, em segundo lugar, mas ainda faltam muitos jogos. Acredito que vão estar no Marquês novamente a festejar."

O Atlético na Liga dos Campeões

"Na Champions é preciso um pouco de sorte, mas esperamos tê-la e se ganhasse a Champions seria algo muito bom na minha vida e na minha carreira. Um dos dias mais felizes, o sonho que sempre tive desde que vejo futebol."

O sonho de jogar com o irmão

"Sempre imaginámos. Eu a fazer assistências para ele, ele para mim. Uma coisa engraçada e de que eu e a minha família gostaríamos muito."

Os festejos do ano passado

"A esta hora devia estar a festejar. Devia ter acabado o jogo. Estava no relvado a festejar, dos dias mais marcantes da minha vida. Lembro-me perfeitamente dos festejos no Marquês, lembro-me de cada momento, do abraço que dei... (…) Foi o primeiro campeonato que ganhei. Foi muito especial."

O contacto com os antigos companheiros

"Sempre que consigo, acompanho os jogos. (…) Falo quase todas as semanas com os companheiros, Temos um grupo que ainda se mantém no Whatsapp. (…) Tenho falado mais com o Pizzi. Há dias falei com o Pizzi, o André e o Jonas. Muito bom recordar os momentos, não tenho perdido contacto com essas pessoas que foram muito importantes para mim."

Os elogios de Luisão e Jonas

"É bom ouvir isto, ainda por cima destas lendas do clube e do futebol. (…) O Jonas tenho um carinho muito grande por ele. (…) Dá-se super bem com os meus pais, o meu irmão. Uma pessoa que vai ficar marcada para sempre. O Luisão, apesar de não ter estado tanto com ele, também me deu palavras de incentivo e de ajuda para melhorar. Uma lenda no clube e uma pessoa muito importante."