Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Durante o confinamento, Hamilton considerou deixar a Fórmula 1. “Uma hora depois, passa tudo”

A um título de igualar Schumacher, com sete títulos, o hexacampeão mundial de Fórmula 1 admite que a motivação nem sempre vem, embora adore o que faça e considere que não devemos “ser tão duros com nós próprios”

Tribuna Expresso

LARRY W. SMITH

Partilhar

Lewis Hamilton admitiu que, durante o confinamento, questionou o seu futuro na Fórmula 1. O hexacampeão do mundo disse que há dias em que se sente desmotivado e que está à espera para ver o que traz a temporada 2020.

Há poucos dias, num vídeo filmado para a Mercedes, Hamilton disse: “Tenho dias em que acordo e me sinto estranho, não me sinto motivado para fazer exercício. Penso: ‘Aonde vamos? O que vem a seguir? Devo continuar a pilotar?' Uma hora depois, passa tudo e eu penso: ‘Eu adoro o que faço! Por que consideraria não continuar?’”.

Durante a Mental Health Awareness Week, evento que alerta para a importância das doenças mentais, Hamilton acrescentou: “Mentalmente, tem tudo a ver com sentires-te bem contigo próprio. Encontrares uma forma de te assegurares de que gostas de ti próprio. Tens mesmo de ser capaz de gostar de ti próprio e de te sentires confortável na tua pele”. O piloto inglês referiu também a importância de “não sermos tão duros com nós próprios”.

Hamilton está no último ano de contrato com a Mercedes e terá esta época a oportunidade de igualar o recorde de Michael Schumacher, que ganhou sete campeonatos do mundo de Fórmula 1. O inglês de 35 anos diz que tinha esperança de usar o confinamento para melhorar. “Se não estivermos a melhorar e a crescer durante estes dias, então o que estamos a fazer? Estás obviamente a perder tempo sentado numa cadeira.”

“Nada nos vai ser dado. Temos de ir à luta e conseguir o que quer que queremos e tens de querê-lo mais do que o teu adversário. Tens de te levantar da cadeira e fazê-lo. (…) Estou em boa forma mas posso sempre estar melhor,” admitiu o piloto, acrescentando: “Mas há pessoas lá fora que sentem estas coisas nas suas mentes. Tens que deixar ir, encontrar o que adoras e dizer ‘vou fazer isso, não vou deixar que nada se atravesse no meu caminho’”.

A Fórmula 1 deve regressar em julho, na Áustria, seguindo-se o Grande Prémio da Grã-Bretanha, embora este ainda não tenha sido confirmado oficialmente. O Hamilton que conhecemos das pistas estaria supermotivado para conquistar mais uma vitória em casa e rumar a mais um título mundial.