Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Erdogan, críticas à China e recusa em baixar ordenado. Adidas deixa cair Ozil devido à imagem pública do jogador do Arsenal

O jogador turco-alemão está prestes a perder mais um patrocinador, depois de a Mercedes ter deixado de o apoiar em 2018

Tribuna Expresso

Catherine Ivill

Partilhar

Mesut Ozil pode ficar sem o patrocínio da Adidas depois de a marca ter decidido não renovar o seu contrato com a estrela do Arsenal, segundo o jornal alemão “Bild”. O acordo termina este verão.

O jogador é o mais bem pago dos Gunners, recebendo quase 400 mil euros por semana. Ozil assinou pela marca alemã de vestuário de desporto em 2012, quando jogava no Real Madrid. O acordo de sete anos valia 25 milhões de euros e significou uma lucrativa mudança para o germânico, que deixou os rivais da Nike.

Agora, a imagem pública de Ozil parece ser um dos maiores fatores para a decisão da Adidas, após vários incidentes controversos nos últimos anos. A decisão de abandonar a seleção alemã, afirmando que tinha sido usado como bode expiatório após a má prestação da equipa no Mundial da Rússia, não foi bem vista pela marca.

Semanas antes do Campeonato do Mundo, a fotografia de Ozil ao lado do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, já tinha causado polémica. Erdogan, que é padrinho de casamento do jogador, é descrito como um ditador da era moderna e é alvo de protestos de várias organizações de defesa dos direitos humanos.

Em dezembro passado, Ozil criticou a China pela forma como trata a minoria muçulmana Uighur na região ocidental de Xinjiang. Sendo aquele país o mercado mais lucrativo para as transmissões da Premier League, as palavras do jogador do Arsenal não caíram bem. Foi mesmo cancelada a transmissão em direto do jogo entre os Gunners e o Manchester City e Ozil foi retirado da versão chinesa de 2020 do videojogo Pro Evolution Soccer.

Mais recentemente, o jogador turco-alemão rejeitou o corte de 12,5% no ordenado durante a crise do novo coronavírus, apesar de ser de longe o mais bem pago do plantel.

Todavia, nem todas as razões para o fim da ligação à Adidas estarão relacionadas com as atitudes do jogador. O “Bild” também diz que a marca alemã está desesperada para cortar custos depois de ter visto os lucros descer a pique durante a crise Covid-19.

A confirmar-se, a Adidas é o segundo patrocinador perdido por Ozil nos últimos dois anos, depois de a também alemã Mercedes ter deixado cair o acordo que ambos tinham, em 2018.