Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Os jogadores da Premier League passam cada vez menos tempo em contacto durante os treinos

A poucos dias do regresso, os clubes da Premier League já treinam em grupo, com maior proximidade entre jogadores. No entanto, a STATSports diz que o tempo passado num raio de dois metros entre os atletas diminuiu para metade

Tribuna Expresso

Phil Noble

Partilhar

Os clubes da Premier League têm alterado substancialmente a forma como treinam durante a pandemia. O tempo que os jogadores passam num raio de dois metros uns dos outros diminuiu para quase metade durante a primeira semana de treinos de contacto.

O Project Restart, que prepara o regresso da liga inglesa para dia 17 de junho, já prevê, desde 27 de maio, a passagem de treinos com distanciamento para sessões com pequenos grupos.

A Premier League tem trabalhado com a STATSports para moldar essas sessões. A tecnologia desenvolvida permite acesso a dados sobre a movimentação dos jogadores e quão frequentemente estão em contacto uns com os outros, dando aos clubes a possibilidade de avaliar o risco nos diferentes aspetos do treino.

Segundo a STATSports, a duração média da incursão de cada jogador no raio de dois metros de outro é de 3,3 segundos antes da Covid-19, um número que baixou para 1,8 segundos nesta nova fase.

“As primeiras indicações a partir do que vimos esta semana é que há uma queda substancial no tempo de incursão médio,” diz Sean O’Connor, cofundador da STATSports. “Suponho que as coisas mais óbvias que mudaram são os intervalos mais longos para beber água, (…) ou fazer certos treinos técnicos ou táticos quando os jogadores estão próximos. (…) É aí que estamos a ver uma grande fatia de mudança positiva a chegar.”

A STATSports fornece monitorização GPS para a maioria dos clubes da Premier League, incluindo cinco do top 6, e está a oferecer uma forma estatística diferente de ver as sessões, permitindo às equipa analisar o índice médio e o número de incursões. O’Connor espera que estes dados sejam analisados durante bastante tempo, para que todos se sintam confortáveis.

“Esses dados permitem aos treinadores e aos preparadores físicos coordenar a forma de treinar, fazendo com que os jogadores se comportem o melhor possível,” afirma O’Connor.