Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Michael Schumacher vai ser operado com uma técnica inovadora que envolve células estaminais

O antigo piloto de Fórmula 1 está a sentir os efeitos de permanecer acamado há vários anos e terá a ajuda de um médico francês que já o operou várias vezes. Os amigos reconhecem a situação delicada mas mantêm esperança na recuperação

Tribuna Expresso

Darren Heath Photographer

Partilhar

Michael Schumacher vai ser operado com células estaminais por um médico de renome mundial, numa tentativa de regenerar o seu sistema nervoso, diz o “Daily Mail”. O heptacampeão do mundo de Fórmula 1 sofreu um acidente enquanto esquiava há mais de seis anos e a sua condição física permanece incerta desde então.

Foi em 2013 que Schumacher sofreu uma lesão cerebral e é por isso que será operado nos próximos dias, dizem vário meios de comunicação social italianos. Philippe Menasché, cardiologista francês, será o responsável pelo procedimento. Não será a primeira vez que Menasché vai operar Schumacher. “É bastante misterioso,” disse Jean-Michel Décugis, jornalista do “Le Parisien. “Oficialmente, o Professor Menasché apenas opera corações.”

Com 51 anos, o recordista de títulos de Fórmula 1 terá as células danificadas substituídas por saudáveis que foram colhidas de medula óssea ou sangue.

Michael Schumacher esteve em coma durante seis meses, depois da lesão na cabeça. A publicação italiana “Contro Copertina” diz que o ex-piloto está a sofrer as consequências de estar acamado há tanto tempo, com os músculos a desgastarem-se e os ossos a ficarem mais fracos.

Apesar do secretismo de qualquer informação sobre o estado de saúde do antigo piloto, Jean Todt, antigo diretor da Ferrari, disse no ano passado que Schumi estava a “progredir bem” e podia assistir às corridas na televisão.

Também Filipe Massa, antigo companheiro de equipa de Schumacher na Ferrari fez uma atualização depois de uma visita: “Ele está numa fase difícil mas tenho de o respeitar e à família. Eles não gostam de divulgar informações”.