Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Mourinho e o castigo a Dele Alli: “Ou é para todos ou não é para ninguém”

O treinador português não gostou que o jogador fosse castigado por causa de um vídeo sobre o coronavírus e refere “comportamentos errados de muito maiores dimensões que aconteceram durante este período sem quaisquer consequências”

Tribuna Expresso

Visionhaus

Partilhar

José Mourinho acusou as autoridades do futebol de terem dois pesos e duas medidas no caso Dele Alli. O jogador inglês fez uma publicação nas redes sociais sobre o coronavírus que, segundo Mourinho, foi “mal-interpretado”. O técnico diz que outros tiveram comportamentos muito piores durante a pandemia.

Alli vai falhar o primeiro jogo do Tottenham no reatamento da Premier League, em casa, frente ao Manchester United, na sexta-feira à noite, após a comissão de disciplina da federação inglesa ter considerado o internacional inglês culpado de “quebra agravada” de uma das suas regras, que diz respeito a raça, cor ou etnia.

O médio publicou um vídeo num grupo privado do Snapchat, a 6 de fevereiro, que o mostrava num aeroporto, usando uma máscara. A câmara mostrava também um homem asiático e fazia zoom sobre uma garrafa de álcool gel.

“Eu tenho mesmo muita pena de que o Dele não jogue,” disse Mourinho. “Ele tem sido um jogador tão esforçado durante todo este período e está verdadeiramente frustrado por não poder jogar o primeiro jogo. Não acho que ele mereça a punição de um jogo comparando com comportamentos errados de muito maiores dimensões que aconteceram durante este período sem quaisquer consequências.”

Mourinho prosseguiu: “Não gosto deste tipo de contradições. É para todos ou não é para ninguém e bastante injusto para um miúdo que cometeu um erro e pediu desculpa por ele. Não concordo mesmo com isto”.

Quando pediram a Mourinho um exemplo de outros casos mais graves que não tenham sido punidos, o português referiu-se a si próprio, quando foi apanhado a dirigir um treino num pequeno parque do Norte de Londres. Nessa altura, as pessoas podiam fazer exercício no exterior apenas com elementos do núcleo familiar.