Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

“É um final triste. Foi um casamento muito bonito, mas houve um divórcio”: o “adeus amargo” de Ricardinho ao Movistar Inter

O melhor jogador do mundo de futsal vai jogar para Paris, como tinha anunciado em janeiro. Mas a despedida do futsal espanhol esteve longe de ser como o português desejava. Salários em atraso terão impedido o final feliz

Tribuna Expresso

PIERRE-PHILIPPE MARCOU

Partilhar

“O adeus de Ricardinho ao futsal espanhol foi o mais amargo depois de sete anos gloriosos no Movistar Inter,” diz o jornal “Marca”, referindo logo de seguida as cinco Bolas de Ouro e os elogios unânimes da crítica e dos adeptos.

O jogador português anunciou a saída do Inter no dia 6 de janeiro. Na próxima temporada, o astro do futsal vai jogar no ACCS Paris, para onde se mudará também o colega de equipa Carlos Ortiz. A paragem na competição impediu que o Movistar Inter pudesse contar com a sua estrela na fase final “expresso” que se disputou em Málaga, ainda assim com a vitória do clube de Ricardinho.

Após o layoff da entidade, Ricardinho denunciou salários em atraso e a relação entre jogador e equipa deteriorou-se inevitavelmente. Antes do play-off final, o jogador português pediu ao Inter para não disputar a competição, com o argumento de que não queria lesionar-se antes de chegar a Paris.

Em Málaga, viu-se um Inter a trabalhar em grupo com Ricardinho isolado, mesmo quando o treinador dava instruções aos jogadores. Foi convocado para todos os jogos, mas não disputou um único minuto naquela que seria a sua despedida do clube.

“Não me senti isolado e os meus companheiros estiveram sempre comigo. (…) Nos treinos, fiz o meu trabalho como sempre. Sempre fui profissional,” declarou o jogador em conversa com Rui da Cruz no programa “Futsal Talks”.

“É um final triste. Foi um casamento muito bonito durante o qual cumpri muitos sonhos, entre os quais o de ser o melhor jogador do mundo, mas houve um divórcio,” explicou o antigo jogador do Benfica, antes de explicar que quis rescindir o seu contrato “porque acreditava que era o melhor para ambas as partes”. “Não saio como queria mas também não saio pela porta de trás,” concluiu.