Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Chama-se “metegol humano”, nasceu na Argentina e é uma espécie de matraquilhos com pessoas que mantêm a distância social

Nasceu no país de Messi e Maradona a nova versão do futebol sem contacto, ideal para os tempos que vivemos. Numa zona rural, os locais divertem-se a chutar uma bola num campo que parece uma mesa de matraquilhos gigante

Tribuna Expresso

Getty Images

Partilhar

Que os argentinos adoram futebol não é, de todo, notícia. Mas os habitantes da cidade agrícola de Pergamino encontraram uma forma engenhosa de continuar a jogar ao mesmo tempo de evitam o risco de espalhar a Covid-19. Trata-se de uma espécie de campo de matraquilhos humano com zonas para cada jogador, de forma a evitar o contacto físico.

De acordo com a Agência Reuters, esta inovação tem captado as atenções num país que “inventou” Lionel Messi ou Diego Maradona, numa altura em que o país tem vindo a sofrer aumentos de casos do novo coronavírus nas semanas mais recentes.

O jogo foi localmente batizado como “metegol humano” e divide o terreno de jogo em zonas retangulares com linhas brancas a limitar as possibilidades de movimento de cada jogador. Isto ajuda a reforçar o distanciamento social, não permitindo entradas de carrinho ou dribles com a bola.

“Foi criado para duas equipas de cinco jogadores que podem correr mantendo a distância e sem a possibilidade de se tocarem,” disse Gustavo Cuiffo, criador do jogo, à Reuters. “Os limites são definidos pelos retângulos que cada equipa ocupa. Há posições fixas, como a de guarda-redes, defesa, médio e dois avançados,” acrescentou o dono do clube Play Fútbol. Visto de cima, o campo parece uma mesa de matraquilhos gigante sem manípulos.

Lembre-se que a Argentina registou já mais de 75.000 casos confirmados de Covid-19 e aproximadamente 1.500 mortes relacionadas com o vírus. O governo teve de reforçar as medidas de confinamento à volta de Buenos Aires depois de uma nova subida no número de casos.

Em Pergamino, o caso pode ser diferente, mas não deixa de haver motivo para cuidados especiais. “É a primeira vez que chuto uma bola em vários meses,” disse Gustavo Santapaola, que participou num jogo de “metegol humano”. “Digo-te sinceramente, estou entusiasmado,” acrescentou Gustavo.