Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Black Lives Matter: Hamilton conversou individualmente com alguns dos pilotos que não se ajoelharam

O hexacampeão do mundo de Fórmula 1 e vencedor da última corrida, a segunda época, promete continuar a ajoelhar-se antes de cada grande prémio, em luta contra o racismo. Hamilton falou com os colegas que não se ajoelharam para lhes explicar o que o leva a fazê-lo

Tribuna Expresso

Peter Fox

Partilhar

Nos últimos tempos, Lewis Hamilton tem acrescentado ao talento como piloto de Fórmula 1 o ativismo na luta contra o racismo. Único piloto negro da grelha, o britânico disse agora que conversou individualmente com alguns dos pilotos que escolheram não se ajoelhar no gesto simbólico antes das primeiras duas corridas desta temporada. O hexacampeão mundial afirmou que espera unir os companheiros para os próximos grandes prémios.

Foram apenas 11 os pilotos que se juntaram a Hamilton no gesto de se ajoelhar como homenagem a George Floyd e a outras vítimas do racismo. No grupo de 20 pilotos de Fórmula 1, nomes como Max Verstappen, Charles Leclerc ou Kimi Raikkonen estiveram presentes no evento simbólico mas preferiram ficar de pé nos dois primeiros grandes prémios da temporada.

“Tivemos as instruções dos pilotos na sexta-feira e depois ficámos todos a conversar sobre se deveríamos voltar a ajoelhar-nos. Eu disse-lhes que vou continuar a fazê-lo,” explicou o piloto da Mercedes, em entrevista ao jornal inglês "The Telegraph".

Hamilton conversou com alguns dos pilotos que não se ajoelharam numa reunião por videoconferência. “Talvez alguns dos pilotos não entendam completamente o quão impactantes as suas vozes podem ser para as pessoas. Alguns deles não querem apoiar a campanha “Black Lives Matter” mas defendem o antirracismo, que é a mesma coisa. Eu tenho deixado claro que não estou a apoiar o lado político, mas sim o lado dos direitos humanos,” esclareceu Lewis Hamilton.