Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

55 funcionários do Arsenal vão ser despedidos, entre os quais o homem que descobriu Fabregas

Francis Cagigao trabalha no clube há 24 anos e foi jogador do clube. Já lhe foi comunicado que os seus serviços deixaram de ser necessários e terá de fazer as malas

Tribuna Expresso

Cath Ivill/NMC/Pool/EPA

Partilhar

De acordo com o jornal inglês “The Guardian”, Cagigao desenvolveu uma formidável reputação ao longo dos anos em que serviu o Arsenal, por quem também jogou nas camadas jovens. Faz parte do grupo de 55 funcionários que o clube de Londres se prepara para dispensar.

O responsável pelo recrutamento no Reino Unido, bem como o antigo treinador do Reading e do Leeds, Brian McDermott também fazem parte da lista de dispensados.

O “The Guardian” acredita que a decisão de despedir Cagigao poderá ser ainda revista tendo em conta o passado do técnico, que é considerado um dos melhores olheiros do mundo. Cesc Fàbregas, Héctor Bellerín e Gabriel Martinelli estão entre os jogadores descobertos por Cagigao enquanto jovens.

Aparentemente, os dirigentes do Arsenal decidiram seguir uma política de maior proximidade aos agentes e empresários em vez de enveredar pela prospeção. O empresário Kia Joorabchian tem ganho cada vez mais influência no clube de Londres, o que está a preocupar alguns grupos de adeptos.

Não será apenas no recrutamento que haverá saídas. No comunicado da direção, argumenta-se a favor da necessidade de dispensar funcionários devido às quebras comerciais que resultaram da pandemia Covid-19.

O Arsenal é o primeiro clube da Premier League a anunciar despedimentos. Ao mesmo tempo, o clube londrino quer assinar novo contrato com Aubameyang e está a tentar convencer Willian, que termina contrato com os rivais do Chelsea. O jogador mais bem pago do plantel é Mesut Özil, que ganha 350.000 libras por semana.