Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Lewis Hamilton entre a luta antirracismo e o sétimo título: “Este é o ano mais importante da minha vida”

O campeão do mundo de Fórmula 1 e atual líder do mundial afirmou que este é o ano mais importante da sua vida porque acontece numa altura em que ele promove o antirracismo e a diversidade

Tribuna Expresso

Dan Istitene - Formula 1/Getty

Partilhar

Lewis Hamilton falou na quinta-feira antes do Grande Prémio do 70º aniversário de Silverstone, que decorre este fim de semana. Se é verdade que alguns dos maiores recordes da Fórmula 1 poderão ser batidos pelo inglês esta temporada, Hamilton afirma-se também inspirado pelo facto de estar a usar a fama mundial para fazer a diferença na luta contra o racismo.

Hamilton tem neste momento 30 pontos de vantagem sobre o companheiro de equipa, Valtteri Bottas, que, na quinta-feira, assinou um novo contrato com a equipa para 2021. Neste momento, Hamilton está a apenas quatro vitórias do recorde de 91 de Michael Schumacher e pode igualar o feito do alemão também no número de campeonatos (sete) se ganhar este ano.

Desde a morte de George Floyd, Hamilton tem estado muito ativo no seu compromisso antirracismo. O inglês da Mercedes tem liderado a campanha na Fórmula 1 e isso tem-lhe dado uma perspetiva mais alargada do que o racismo significa para ele.

“É o ano mais importante da minha vida, com tudo o que está a acontecer,” disse Hamilton. “É um ano especial e eu levo isso muito a sério. As pessoas perguntam aonde vou buscar a motivação, há tantos sítios que nos podem inspirar. Está a lutar por um campeonato num tempo destes dá força e o pensamento de que pode haver mudanças em breve entusiasma.”

Apesar de a Mercedes ter anunciado um novo acordo com Bottas, Hamilton ainda não assinou contrato com a Mercedes para lá do próximo ano. O inglês diz que não se sente confortável para já tendo em conta os danos na economia provocados pelo novo coronavírus.

“Não me parece a altura certa para fazê-lo quando penso que tantas pessoas no mundo perderam os seus empregos. Sentar-me e negociar um contrato não me parece a coisa mais importante a fazer agora. Eu quero continuar na equipa.”